Ao Vivo

Vários Chorões dentro de um Charlie Brown: doc revela cantor fofo, complexo e louco…

24/10/2019 às 10:02.

Se um homem quando está em paz não quer guerra com ninguém, como diz a letra de Só Os Loucos Sabem, Chorão (1970-2013) foi um homem que poucas vezes conseguiu alcançar a serenidade plena de espírito. O vocalista do Charlie Brown Jr era uma bomba relógio ambulante, prestes a entrar em ignição sem sobreaviso —mas ele não era muito diferente da maioria das pessoas.
O documentário “Chorão: Marginal Alado”, do diretor Felipe Novaes, que está em cartaz na 43ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, defende o argumento de que, atrás da imagem porra-louca, havia um músico complexo, contraditório, intensamente amoroso e que quase nunca se permitiu guiar pelas convenções sociais conhecidas. E muitos se esquecem disso.
“Por muito tempo, o Chorão vem sendo tratado de forma maniqueísta. Do céu, pelos fãs, ao inferno, pelos críticos. Acontece que ele era gente, e as pessoas são tudo isso. Quando falamos de um rock star, as coisas se potencializam mais ainda. Todos temos facetas contraditórias. A diferença era que a vida dele era acompanhada em tempo real”, avalia ao UOL o diretor Felipe Novaes.
Com cenas de bastidor e entrevistas, “Marginal Alado” demorou seis anos para ser concluído e é fruto de um longo processo de pesquisa que teve como base 700 horas de gravações caseiras, feitas por Jerri Rossato Lima, que trabalhava com a banda. Foram meses de decupagem do material e mais de três anos até a finalização, que precisou acelerar para o lançamento na Mostra. Novaes ouviu músicos —incluindo o baixista Champignon, que morreu sete dias após as gravações—, familiares, produtores e dezenas de pessoas que orbitavam entre a vida e a obra de Chorão.
Novaes ouviu músicos —incluindo o baixista Champignon, que morreu sete dias após as gravações—, familiares, produtores e dezenas de pessoas que orbitavam entre a vida e a obra de Chorão. O resultado é revelador, para fãs e não fãs, e poderá ser visto no cinema comercial no primeiro semestre de 2020, com distribuição da O2 Play.
O Chorão fofo
Em vários momentos do filme, como o que mostra o início do relacionamento com a ex-mulher Graziela, Chorão é retratado como um sujeito afável e amoroso em suas relações afetivas. Pessoas próximas conheciam bem a generosidade do músico, que incluía ajuda financeira a funcionários do Charlie Brown Jr e fãs. Em uma das cenas, o vocalista está em uma van cercada de fãs quando decide interagir com uma delas, aparentemente mais nervosa. Atencioso, ele diz que o amor que ela sentia não residia nele. Vinha da energia positiva emanada pela própria jovem.  A garota ainda se desculpa dizendo não ter dinheiro para ir a shows e comprar CDs do grupo, e o vocalista “esquece” que vive disso e dá um conselho incomum: “Baixa tudo!”.