Ao Vivo

Vacinação de crianças e adolescentes contra pólio e outras doenças começa na segunda

28/09/2020 às 08:17.
Criança recebe “a famosa gotinha” contra a poliomielite. Foto: Jonathan Campos/Gazeta do Povo/Arquivo
A Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e Multivacinação foi antecipada em uma semana no Paraná. As doses começam a ser aplicadas nesta segunda-feira (28) e seguem disponíveis com a campanha até o dia 30 de outubro. O objetivo é imunizar até 90% de crianças e adolescentes, segundo a Secretaria de Estado da Saúde do Paraná (Sesa). As vacinas serão distribuídas para a vacinação em todas as unidades de saúde da capital paranaense.

A vacinação da poliomielite é realizada a cada dois anos e atinge crianças de 1 ano até 4 anos completados. As doses são em gotas, sem a necessidade de agulha e seringa. Já a multivacinação pretende colocar em dia a carteira de vacinação de crianças e adolescentes. “O Paraná está ampliando o período das campanhas para que os pais tenham mais oportunidade de levar os filhos aos locais de vacinação. Antecipamos o início mas seguiremos até o dia 30 de outubro”, disse o secretário da Saúde, Beto Preto.

A vacinação além de proteger de doenças, as famílias precisam pegar nas unidades de saúde a declaração de vacinação, pois ela, é exigida na matrícula de crianças nas escolas da rede pública e privada.

Meningites

Uma das vacinas que começou a ser oferecida em 2020 é a meningocócica ACWY, que previne quatro tipos de meningites. Ela é aplicada para adolescentes de 11 a 12 anos. A meningite é uma doença grave que causa inflamação das meninges, que é a pele que envolve o cérebro e a medula espinhal. Os principais sintomas da meningite são febre, dor de cabeça, rigidez ou dor de pescoço, náuseas e vômitos.

Sarampo e outras doenças

Nas unidades de saúde estão disponíveis 19 tipos de vacina para gestantes, crianças, adolescentes, adultos e idosos. Entre elas há a BCG, que previne a tuberculose e a pentavalente, que combate a difteria, tétano, coqueluche, hepatite b e influenza B. Márcia Huçulak, secretária municipal de saúde de Curitiba, reforça que as famílias precisam se proteger e faz uma alerta contra o sarampo.

“A gente pode ter em uma epidemia de sarampo ou mesmo uma epidemia de outras doenças, especialmente em crianças que estão voltando a circular. O sarampo é uma doença que pode provocar sequelas e complicações como encefalite e deixar sequelas graves neurológicas. Então a gente chama para as nossas unidades”, ressaltou Huçulak, durante a transmissão do boletim epidemiológico do novo coronavírus, da última sexta-feira (25).

Via: Tribuna Do Paraná