Ao Vivo

Uma vida sem amizades é uma existência empobrecida

06/09/2018 às 08:50.

Acima de nossas cabeças, um enorme emaranhado se desenha. São linhas imaginárias, teias energéticas, constituindo uma interessante configuração: as relações que estabelecemos com nossos amigos. Nunca sabemos como elas se formam. Quando menos percebemos, já estamos enlaçados.

Amigos geram em nós compromisso, com eles e conosco. Mas é uma demanda boa: a partir deles, nos tornamos pessoas mais interessantes, receptivas e, principalmente, realizadas.

Virou clichê dizer que as amizades constituem a família escolhida, o povo eleito para compartilhar nossas alegrias e dissabores. Mas é assim mesmo. O preço inestimável de uma amizade é capaz de nos propiciar uma série de bons atributos, dos quais tanto anseia a nossa alma: o pertencimento, a reciprocidade, a identificação. Combatemos, com eles, o sentimento de solidão, inerente à condição de humano.

Em geral, as amizades não são programadas convencionalmente. Não as leais. Estas se manifestam de forma espontânea. De uma simples combinação de gostos ou necessidades, evolui para uma complexa troca.

Amigos verdadeiros são capazes de antever nossas vitórias ou derrotas, percebem o que somos ou como estamos de uma forma particularmente subjetiva. O entendimento é imediato, como em uma intuição.

Não que uma amizade só exista onde não há divergências. As mais produtivas, inclusive, são aquelas que nos levam a novos pontos de vista, embargam nossas tentativas de sermos igualmente nocivos a nós mesmos.

A discussão, com sinceridade de propósitos e maturidade, leva ao crescimento de ambos. Afinal, a verdadeira amizade é feita entre pares – e não entre mestre e discípulo, ou coisa que o valha.

É natural, ao longo da vida, trocarmos de amizades, assim como trocamos de gostos e prioridades. A vida presente faz um ou outro fio, dos que pairam em nossa cabeça, se sobressair aos demais. Alguns amigos se enciumam com isso – mal sabem que nunca serão perdidos ou trocados.

Se a relação é real, eles não sumirão do repertório, apesar de um afastamento forçado por caminhos dissonantes. Bastam alguns minutos para a velha intimidade se reestabelecer. (Essa tal postura, convém ressaltar, é mais resultado do afeto que do tempo: amizades não se contam com anos, e sim com a capacidade de transformação a qual são capazes de propiciar).

Uma vida sem amizades é uma vida empobrecida. Dinheiro e trabalho não substituem amigos. Namoros e casamentos, também não. Nem mesmo os livros e discos. A melhor forma de preenchermos o que nos consome é a partir da diversidade humana.

Amigos nos desconcertam quando nos revelam o quanto deles dependemos, o quanto nos completam, como é bom se sentir e ser sentido.

Há quem se ressinta da falta de amizades, ou de uma baixa competência para conquistá-las. A estas pessoas, talvez falte a coragem para se enfrentarem. Os amigos, assim como os inimigos, são as nossas melhores possibilidades para encararmos quem somos, no que pensamos e como agimos. São a prova viva de que o pilar sustentador da vida humana é a relação.