Ao Vivo

SUS recebe remédios de kit intubação em mandarim e teme confusão

26/04/2021 às 08:29.

Remédios do kit intubação vieram em mandarim. Foto: Reprodução / TV Globo

O governo federal recebeu medicamentos do chamado “kit intubação” enviados da China com bulas, rótulos e embalagens em mandarim, e entidades de saúde têm pedido a tradução para o português o mais breve possível. Como os medicamentos estão sendo distribuído aos hospitais, os profissionais que manuseiam o medicamento podem se confundir e colocar pacientes em risco.

Com a lotação das UTIs (Unidades de Terapia Intensiva) com doentes de covid-19, medicamentos como sedativos, neurobloqueadores musculares e analgésicos opioides começaram a escassear ou até mesmo faltar em alguns hospitais.

Um grupo de empresários então doou 2,3 milhões de medicamentos do “kit intubação” vindos da China ao Ministério da Saúde. O primeiro lote chegou na semana passada, uma parte do total de 3,4 milhões que deve chegar ao país até o final do mês. Os medicamentos devem ser usados em 500 leitos pelo período de um mês e meio, segundo informações da Vale, que organizou a doação.

Luis Antonio Diego, diretor de Defesa Profissional da SBA (Sociedade Brasileira de Anestesiologia), afirma que a situação de superlotação das UTIs e a consequente sobrecarga de trabalho dos profissionais de saúde podem elevar os riscos de eventos adversos por erros de medicação.

Assim, quaisquer estratégias que contribuam para minimizar potenciais erros de prescrição, dispensação, preparo e administração devem ser estimuladas, diz.

“Os responsáveis por manusear os medicamentos podem se confundir [com as informações em mandarim]. O efeito adverso que isso pode causar no paciente é grave. O que estamos fazendo é ajudar para que isso não ocorra.”

As orientações foram criadas por uma força-tarefa composta de membros da SBA, da Amib (Associação de Medicina Intensiva Brasileira), da Abramede (Associação Brasileira de Medicina de Emergência), do ISMP-Br (Instituto para Práticas Seguras do Uso de Medicamentos) e da SBRAFH (Sociedade Brasileira de Farmácia Hospitalar e Serviços de Saúde).

+ Veja também: Curitiba divulga cronograma de segunda dose para idosos entre 70 e 67 anos

Além da tradução da bula na íntegra, a força-tarefa faz outros pedidos e orientações. Umas das sugestões ao serviço de farmácia hospitalar é realizar o armazenamento e a identificação desses medicamentos separadamente, para evitar trocas e minimizar potenciais erros em toda a cadeia de abastecimento.

As entidades também enviaram um ofício para o Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde), o Conasems (Conselho Nacional de Secretarias municipais de Saúde) e o Ministério da Saúde de como os rótulos deveriam ser colocados para garantir a segurança.

O Conass afirmou, em nota, que foi informado de que os medicamentos para intubação doados por empresas brasileiras chegaram ao país com a rotulagem em idioma estrangeiro. “Foram realizadas reuniões com entidades, que, de forma complementar ao trabalho já realizado pelo Ministério da Saúde, elaboraram documentos técnicos, que foram disseminados aos estados.”

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) afirmou que medicamentos doados podem vir em outro idioma. “Compete ao Ministério da Saúde atuar e fazer as discussões da instrução de uso”.

O Ministério da Saúde foi procurado, mas não respondeu aos questionamentos até a conclusão desta edição.

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou em entrevista coletiva de imprensa na quarta-feira (21) que está prevista a chegada de 1,5 milhão de medicamentos do “kit intubação” até maio, com a primeira remessa desse lote na próxima semana. Uma parte seria de doação da Espanha.

O ministro afirmou que atua em diferentes frentes para conseguir mais medicamentos do kit, incluindo um pregão internacional sem fixação de preço para a aquisição de novos insumos.

“Temos adotado uma série de ações para aumentar a oferta. Também contamos com o apoio da indústria nacional, OMS/OPAS, e com a solidariedade de outros países que farão doações dos insumos ao Brasil.”

Via: Tribuna Do Paraná