Ao Vivo

Sistema de transporte da grande Curitiba pode mudar. Comec inicia estudos

14/09/2021 às 06:17.

Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba (Comec) contratou um estudo para mapear o atual sistema de transporte a apresentar uma nova modelagem para a RMC. O estudo, que inicia nesta terça-feira (14), pretende analisar quais são os principais pontos de origem e destino, atualizar o cálculo tarifário e também realizar uma nova modelagem econômico-financeira do sistema.

A pesquisa será feita pela Fundação de Estudos e Pesquisas Socieconômicas (FEPESE), em parceria com a equipe técnica do Laboratório de Transporte e Logística da Universidade Federal de Santa Cataria – LabTrans/UFSC.

A entrega final está marcada para fevereiro de 2022, mas algumas aplicações práticas dos resultados obtidos com as pesquisas podem ter aplicação antecipada, com ajustes realizados na operação diária. Ele dará origem a uma licitação do transporte, a ser realizada em 2022.

A pesquisa de origem e destino com os usuários do transporte coletivo metropolitano deverá durar dois meses. Nesta etapa, equipes devidamente identificadas realizarão pesquisas com usuários visando identificar sua origem, destino, conexões e interesses. Os dados coletados deverão subsidiar as decisões realizadas pela autarquia.

As pesquisas serão realizadas em todos os 19 municípios da Rede Integrada de Transporte – RIT, nos horários de maior movimento do sistema, que são das 06h00 às 09h00 e das 16h30 às 19h30. Serão cerca 30 pesquisadores, devidamente identificados.

Segundo o presidente da Comec, Gilson Santos, será mais um passo importante para aproximar a operação do transporte coletivo do dia a dia da população. “O estudo vai mapear com precisão de onde as pessoas estão vindo e para onde elas estão indo, e ainda, se utilizam outros meios de transporte além do ônibus”, destacou.

“Com estas informações, além do ajuste da nossa operação, podemos planejar novas linhas e conexões. Todo trabalho com informações precisas e bem planejado tem resultado mais eficiente”, disse.

Impacto da pandemia

Uma das razões do estudo é analisar o impacto da pandemia de Covid-19 sobre os sistemas de transporte coletivo. Logo no início, em março de 2020, com a implementação das medidas mais restritivas de circulação, o número de usuários no sistema metropolitano chegou a cair para 20%. Aos poucos, com o retorno das atividades, este número foi aumentando, mas mesmo a média de usuários do sistema ainda permanece na casa dos 60%.

A queda no número de usuários, mudanças de hábitos da população e a busca por melhorias no atendimento exigiram uma série de ajustes em todas as operações. Em 18 meses de pandemia, foram realizados mais de 600 ajustes no sistema metropolitano, contemplando novos atendimentos, itinerários e ajustes de horários, personalizado para o usuário.

Especialistas na área apontam, no entanto, que dificilmente o sistema retornará aos patamares anteriores ao da pandemia e que ele precisará ser readaptado às novas realidades de vida da população.

“A ideia é ter um embasamento completo para efetivar as mudanças no ano que vem. O sistema sofreu um grande impacto, não temos mais o volume anterior. Com esse estudo teremos números reais para fazer as alterações. Queremos melhorar o tempo para o usuário e atrair mais pessoas para o sistema”, complementou Gilson Santos.

LICITAÇÃO EM 2021 – O objetivo da Comec é fazer uma grande licitação das linhas metropolitanas em 2022. O estudo ajudará a determinar a tarifa, a modelagem e os detalhes do edital. 

Via: Tribuna do Paraná