Ao Vivo

Ser filho único tem vantagens comprovadas pela ciência: melhor desempenho e mais 3

02/08/2019 às 09:12.
pais filho unico 0619 1400x800
KieferPix/Shutterstock

Logo depois da chegada do primeiro bebê, muitos pais já começam a pensar no segundo, porque “filho único é muito mimado” ou “ele precisa de um irmãozinho”. Mas existem estudos científicos mostrando que o fato de ser filho único tem seus privilégios.

Vantagens de ser filho único

É verdade que irmãos costumam se ajudar, especialmente quando já estão crescidos. E crianças com famílias maiores costumam ser mais sociáveis. Por outro lado, filhos únicos tendem a levar vantagem em outros aspectos apontados pela ciência:

Melhor desempenho escolar

Um estudo realizado em 1995 pela Universidade de Ohio, nos Estados Unidos, analisou o desempenho escolar de 24.599 estudantes de oitava série e concluiu que, quando menos irmãos eles tinham, melhores eram suas notas. Segundo os pesquisadores, isso acontece porque os pais com mais filhos têm menos tempo para orientá-los.

A tese foi confirmada por outro estudo de 2004, feito pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), que investigou o comportamento de 360 estudantes do terceirão de uma escola particular de Porto Alegre. Segundo a pesquisa, os adolescentes que eram filhos únicos possuíam notas melhores, e apenas 39% deles disseram já ter passado mal com bebida alcoólica, contra 72,3% dos que tinham irmãos em casa.

pai mae filho 0619 1400x800
Liderina/Shutterstock

Maior criatividade

Filhos únicos apresentaram as melhores médias nos testes de criatividade e imaginação propostos por um estudo da Southwest University de Chongqing, na China, país onde ter mais que um filho era proibido até 2015.

Segundo os pesquisadores, filhos únicos desenvolvem maior massa encefálica em regiões do cérebro associadas à imaginação. Uma das explicações apresentadas para isso foi o maior contato com os pais. Por outro lado, eles tiveram baixo desempenho em testes de sociabilidade.

Menos brigas

Em 2011, a Universidade de Essex, na Inglaterra, publicou um extenso estudo denominado “Entendendo a Sociedade”, com diversos dados socioeconômicos coletados em entrevistas com mais de 100 mil pessoas em 40 mil lares britânicos.

Ao analisar todo estes dados, a pesquisadora Gundi Knies identificou que muitas crianças com um ou mais irmãos relatavam que sofriam bullying dentro de casa. O abuso físico e verbal por parte de irmãos estava entre as reclamações de 31% das crianças.

Mais autoconfiança

Ainda segundo os pesquisadores de Essex, ter menos irmãos significa mais felicidade durante a infância – pelo menos segundo os relatos das 2.500 crianças entrevistadas. Poupados do bullying caseiro praticado pelos irmãos, sete entre dez filhos únicos se disseram “muito satisfeitos” com suas vidas.

Via: Vix