Ao Vivo

Restaurante barra entrada de família porque menino de 5 anos com autismo e leucemia é bagunceiro

11/11/2019 às 09:58.

A mãe de três filhos, Rhiannon Dunn, 26 anos, resolveu ir com duas amigas, também com filhos pequenos, a um restaurante que elas já haviam frequentado outras vezes. Porém, na porta do estabelecimento, Rhiannon foi abordada por um membro da equipe que disse que ela não era bem-vinda.

Ao perguntar o motivo, a gaçonete do estabelecimento explicou que da última vez que eles foram lá, o filho dela tinha deixado o restaurante de “pernas para o ar”. “Ela disse que meu filho faz muita bagunça com a comida e, por isso, eles não poderiam entrar no restaurante”, disse Rhiannon ao jornal Daily Mail.

Detalhe, o filho dela dee 5 anos tem autismo e leucemia e ela gostava de levá-lo ao restaurante, principalmente na hora do almoço, para que ele pudesse sair um pouco de casa. Ela explicou que o filho era desajeitado com a comida devido as suas limitações. “Preston é sensorial com os alimentos e brinca com eles, às vezes joga no chão. Ele não é capaz de se comunicar. Da última vez que fez bagunça lá, eu me prontifiquei a limpar”, disse.

Indignada com a atitude da garçonete, a mãe saiu do estabelecimento na hora por se sentir humilhada e constrangida. Ela também teve acesso as mensagens do grupo de WhatsApp dos funcionários do restaurante e ficou ainda mais horrorizada com as mensagens que eles trocaram e o que falavam de sua família.

Além de fotos da bagunça, tinham emojis com carinhas furiosas e muitas palavras ofensivas. Uma das funcionárias chegou a dizer no grupo que a mãe havia sido informada que se a criança fizesse bagunça mais uma vez, eles iriam proibir a entrada dela no estabelecimento.

Faz um ano que Preston foi diagnosticado com leucemia e está fazendo quimioterapia. “Ele é um gigante, gentil e um garoto adorável e que ama a Peppa Pig”, disse a mãe que ainda informou que nenhuma criança deve ser tratada de maneira diferente. “As pessoas precisam ter mais empatia. O que aconteceu é um absurdo, eu ainda fico muito chateada só de lembrar da situação”, disse.

Um porta-voz do restaurante disse que o assunto está sendo investigado e que conversaram com a mãe e pediram desculpas. “Não toleramos nenhum tipo de comportamento ofensivo. Estamos muitos decepcionados pelo ocorrido. Nosso restaurante é confortável e adaptado para receber as famílias”, disseram.

Via: Revista Crescer