Ao Vivo

Proporção de mortes de idosos acima de 70 anos por Covid em Curitiba reduz após vacinação, aponta pesquisa

05/05/2021 às 04:59.

A proporção de mortes por Covid-19 de idosos acima de 70 anos em Curitiba teve redução com o avanço da vacinação contra a doença nessa faixa etária, aponta pesquisa feita pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR).

Em abril deste ano, o grupo respondeu por 38% do total de óbitos pela doença na capital – índice mais baixo desde o início da pandemia. Em dezembro de 2020, quase metade (49,4%) das pessoas que morreram por Covid tinham mais de 70 anos, conforme a análise.

Em Curitiba, a maior parte da faixa etária está vacinada com a segunda dose. Há idosos entre 80 e 85 que serão imunizados com o reforço em maio por causa do intervalo maior da vacina da AstraZeneca.

Segundo a pesquisa, na faixa de 70 a 79 anos, recém imunizada com a segunda aplicação, o percentual de mortes do grupo em relação ao total caiu de 27,7% em dezembro para 25,3% em abril.

De 80 a 89 anos, o índice foi de 16,6% para 10,9% no período. Já entre os idosos acima de 90 anos, as mortes foram de 5,9% para 1,17% do total de registros de óbitos por Covid-19 na capital.

“Essa redução na população mais idosa, a principio se deve exclusivamente pela vacinação que vem ocorrendo continuamente desde 20 de janeiro”, afirma o cardiologista José Rocha Faria, professor do Centro de Epidemiologia e Pesquisa Clínica (Epicenter) da PUC-PR.

Por outro lado, o estudo mostra que com a redução das mortes entre as pessoas mais velhas, as faixas etárias mais jovens passaram a responder por maior percentual. No caso dos grupos de 60 a 69 anos e de 50 a 59 anos, o aumento ficou na casa dos 5% entre dezembro e abril.

Casos também diminuem

A pesquisa aponta que a confirmação de casos do novo coronavírus em pessoas acima de 70 anos despencou em Curitiba, de dezembro para abril. A redução do porcentual de diagnósticos nos grupos de idosos é maior entre as pessoas acima de 90 anos, chegando a 42,4%.

Na faixa de 80 a 89 anos, a queda de registros da doença foi de 39,7%. Já das pessoas de 70 a 79 anos, que se vacinaram a menos tempo, a redução foi de 14,9%, ainda segundo o estudo.

“Esperamos que muito breve tenhamos esse mesmo resultado nas outras subpopulações, de menor faixa etária e com a presença de comorbidades”, afirma o professor.

Via: G1 Paraná