Professora segura bebê para aluna estudar e gentileza faz sucesso

25/10/2018 às 10:50.

Veja a gentileza dessa professora de faculdade. Ao saber que uma aluna ia faltar à aula porque não tinha com quem deixar o filho, ela disse: “traga seu bebê”.

E assim aconteceu. A professora Amanda Stefanski passou a aula toda segurando a criança de 6 meses.

O caso aconteceu na semana passada no Columbia College, na Carolina do Sul, nos EUA e um tweet da faculdade fez sucesso, com as fotos da professora usando uma sling – tipoia para amarrar os bebês no colo.

“A Dra. Stefanski sintetiza a dedicação de todos os professores e funcionários da Columbia College em relação ao sucesso dos alunos, e exemplifica o compromisso da faculdade em estar pronta para o aluno”, disse a presidente Carol Moore em um e-mail ao The State.

Heather Woolard, um estudante da turma de Stefanski que também compartilhou fotos no Twitter, disse: “professores que trabalham com mães e bebês”, acrescentando a hashtag “#bestcollegeprofesever” – em tradução livre, “melhor professor da faculdade “.

Sucesso

O post do Columbia College no Facebook atraiu muito interesse. Teve mais de 1.000 curtidas e mais de 200 compartilhamentos em poucas horas.

Também teve cerca de 100 comentários, elogiando a professor e a faculdade com muitas declarações de “amor”.

“O Columbia College é realmente um lugar especial com os melhores professores!” escreveu um aluno da faculdade em sua página no Facebook.

Fotos: reprodução / Twitter / Columbia College

Fotos: reprodução / Twitter / Columbia College

Em um e-mail do Columbia College, a professora Stefanski escreveu: “uma das minhas citações favoritas de professores é: ‘Os alunos não se importam com o quanto você sabe até saberem o quanto você se importa’”.

Eu sempre tentei incorporar isso.

A estudante que recebeu a gentileza da professor não conseguiu encontrar uma babá para ficar com o bebê naquele dia e precisava estar na aula para fazer uma apresentação, de acordo com a faculdade.

A professora Stefanski disse que esta não foi a primeira vez que uma estudante teve que trazer uma criança para a aula.

Veja o post: