Primeira parte do 13º salário será liberada até o dia 30

26/11/2018 às 10:49. Comente esta notícia!

Milhões de trabalhadores com carteira assinada devem receber a primeira parcela do 13º salário até a próxima sexta-feira, dia 30. O depósito das gratificações natalinas deve injetar até R$ 211,2 bilhões na economia do país, beneficiando cerca de 84,5 milhões de trabalhadores formais (incluindo servidores públicos e empregados domésticos), aposentados e pensionistas. O valor médio do benefício é de R$ 2.320 por pessoa, e todos precisam ficar atentos para utilizar o benefício da melhor maneira.

Chamada de adiantamento, a primeira parcela corresponde à metade da remuneração do mês anterior ao mês de recebimento e não sofre descontos. A segunda parte deverá ser liberada até 20 de dezembro, calculada a partir do salário bruto de dezembro, descontados o Imposto de Renda e a contribuição previdenciária.

Ricardo Teixeira, coordenador do MBA em Gestão Financeira da Fundação Getulio Vargas (FGV), recomenda usar o dinheiro para quitar dívidas:

— As prioridades devem ser aquelas com incidência de juros mais altos, como cheque especial e cartão de crédito. O ideal é sempre resolver o problema totalmente, ou seja, tentar quitar o débito. Para isso, o consumidor não pode ter vergonha de negociar e fazer uma proposta para o credor.

Professor de Economia & Finanças do Ibmec/RJ, Tiago Sayão alerta que, por mais que o trabalhador tenha vontade de gastar o dinheiro com lazer e presentes neste fim de ano, também não pode esquecer dos compromissos financeiros que terá em janeiro:

— São gastos extraordinários, como Imposto Predial Territorial Urbano (IPTU), Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) e compra de material escolar. O trabalhador deve ponderar, porque pode garantir bons descontos pagando à vista.

Uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) revela que 23% dos trabalhadores que recebem 13º salário devem utilizar ao menos parte do valor para comprar presentes de Natal. Além disso, 17% das pessoas pretendem utilizar o dinheiro extra para quitar dívidas, e16% vão gastar o recurso durante as festividades de Natal e Ano-Novo.

Aposentada, Valéria quer pagar dívidas com o 13º salárioAposentada, Valéria quer pagar dívidas com o 13º salário Foto: Pedro Teixeira / Agência O Globo

A aposentada Valéria Barros, de 65 anos, pretende pagar o que deve:

— Não vou conseguir quitar, mas pelo menos negociar os meus empréstimos.

Wallace da Silva, de 24 anos, deve comprar presentes para a mãe e a namorada.

— Mas a maior parte do dinheiro vou guardar na poupança — afirmou.

INSS: a partir de segunda-feira

Os 29,7 milhões de aposentados do INSS que fazem jus ao 13º salário este ano vão receber a segunda parte do abono a partir desta segunda-feira. Neste dia 26, começam os pagamentos daqueles que recebem um salário mínimo. O crédito será feito para um grupo de segurados por dia, até 7 de dezembro, conforme o número final do benefício (antes do traço). De 3 a 7 de dezembro, será a vez dos aposentados e pensionistas que recebem mais do que o piso nacional (ou seja, acima de R$ 954). Neste caso, o pagamento — também feito junto com o vencimento mensal — será feito a dois grupos por dia.

Vale lembrar que a segunda parcela do 13º salário pode sofrer os descontos previstos em lei, como Imposto de Renda.

Têm direito ao benefício aposentados, pensionistas e segurados em auxílio-doença. No caso dos afastados do trabalho por problemas de saúde, o pagamento é proporcional, de acordo com o número de meses de afastamento.

Quem recebe o Benefício de Prestação Continuada (BPC-Loas) — ou seja, idosos acima de 65 anos e pessoas com deficiência que não têm condições de sobreviver, pois têm renda mensal de até 25% do salário mínimo por pessoa da família (R$ 238,50) — não faz jus ao pagamento do abono de fim de ano. Estes recebem apenas 12 parcelas anuais.

Para servidores, situações são bem distintas

Na esfera pública, a situação do pagamento do 13º salário de 2018 é bem diferente para servidores federais, estaduais e municipais do Rio. Os mais de 1,2 milhão de funcionários da União, entre ativos, inativos e pensionistas, vivem o melhor cenário. Eles já receberam a primeira parcela do abono no mês de julho. A segunda parte será depositada no dia 3 de dezembro, com o vencimento de novembro.

Para os mais de 160 mil servidores do município do Rio, a apreensão gira em torno do pagamento da segunda parcela do abono. Anteontem, o prefeito Marcelo Crivella depositou a primeira parte do pagamento, sem os descontos previstos em lei. A segunda, porém, não tem data prevista de quitação. A Prefeitura do Rio já antecipou R$ 300 milhões de receitas futuras sobre royalties do petróleo para viabilizar o pagamento do funcionalismo. A expectativa é de fechar a folha antes do Natal.

No Estado, a indefinição é total. O 13º salário é pago com atrasos desde 2015. Este ano, uma lei que ofereceu o refinanciamento de dívidas sobre o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) — o Refis — foi aprovada de olho em uma receita extra capaz de suportar a folha do abono. Neste momento, o Rio prega cautela quanto ao pagamento ainda em 2018 e de forma integral. Integrantes do governo informaram que o Estado precisa arrecadar cerca de R$ 1,5 bilhão, por meio do Refis, para bancar o 13º.