Ao Vivo

Praças e viadutos abandonados de Curitiba podem virar espaços de arte e lazer

26/07/2017 às 12:38.

Imagens: Grifo Arquitetura/Expo 2017/Reprodução

Certas áreas de passagem da cidade com grandes estruturas viárias, como praças e viadutos, geram com bastante frequência espaços abandonados. Mas eles podem ser diferentes. “Intervenções de fácil aplicabilidade sem a necessidade de alterar as estruturas existentes poderiam transformar esses locais em áreas de lazer, esporte e convivência“, defendem os arquitetos do escritório Grifo Arquitetura, que propuseram mudanças para seis pontos subaproveitados de Curitiba.

Eles são: Praça das Nações, Viaduto do Capanema e do Colorado, Viaduto da Avenida Presidente Affonso Camargo, trecho da BR-277 (saída para as praias), Viaduto da Avenida Marechal Floriano Peixoto e Viaduto da Avenida Brasília.

Imagens: Grifo Arquitetura/Expo 2017/Reprodução

O projeto integra a exposição Arquitetura para Curitiba 2017, e recebe assinatura dos arquitetos Fábio Domingos Batista, Igor Costa Spanger, Luciano Suski, Moacir Zancopé Junior, Suzanna de Geus, Rodolfo Luís Scuiciato, Aline Train e Janaína Nichele, em conjunto com os estudantes Aline Marafigo, Amanda Mendes de Lima, Ana Luiza Voltolini, Heitor Lorega Dilay, Isabella Moura, Jackson Oliveira, Kimberly Dias, Mirela Purim, Nícolas Marques, Eduardo Hungaro, Victor Reis Alvim, Tayla Amaral e Thays Lima.

Imagens: Grifo Arquitetura/Expo 2017/Reprodução

“São lugares desprovidos de memória coletiva e identidade”, explicam os responsáveis pela ideia, que analisaram cerca de 38 pontos da cidade antes de eleger as seis localidades para serem transformadas. “Por isso se tornam desertos, abandonados, destinados a habitantes desafortunados que vivem à margem da cidade oficial.”

Imagens: Grifo Arquitetura/Expo 2017/Reprodução

As soluções são específicas para cada viaduto ou praça, mas, em geral, consistem em deques, grafites ou pinturas coloridas, mobiliário urbano diferente, e espaços para comércio em contêineres.

Imagens: Grifo Arquitetura/Expo 2017/Reprodução

“Não importa apenas a intervenção pontual. O que vai transformar esses espaços são a influência do ambiente ao redor, que pode chancelar e trazer outros usos para a área“, garantem os arquitetos.

Imagens: Grifo Arquitetura/Expo 2017/Reprodução

Fonte: Gazeta do Povo