Policial militar é flagrado fumando maconha enquanto dirigia

27/11/2018 às 09:43.

Um cabo da Polícia Militar, que não estava em serviço, foi flagrado fumando maconha enquanto dirigia um carro na Avenida Manoel Goulart, em Presidente Prudente, no último sábado (24).

Foto: Stephanie Fonseca/G1

Segundo informações obtidas pelo G1, o policial foi visto transitando em velocidade baixa pela via. Ele estava acompanhado da namorada.

Ao avistar o carro, os PMs que estavam em uma viatura emparelharam o veículo VW Gol, viram o motorista fumando um cigarro e sentiram um forte cheiro de maconha. Então, pediram para o PM parar. O motorista, que transitava no sentido Centro–bairro, não parou e tentou fugir.

Na altura da rotatória do Jardim Monte Alto, os PMs pediram ajuda a outros policiais, que conseguiram interceptar o motorista – que estava fumando maconha no veículo – já na Vila Santa Helena.

No carro, os policiais encontraram “uma substância esverdeada”, semelhante a maconha. No maço de cigarros do PM, foi encontrado outro cigarro de maconha, intacto.

Na Delegacia Participativa da Polícia Civil, onde o caso foi apresentado, o policial militar abordado permaneceu em silêncio.

O PM interceptado, segundo as informações apuradas pelo G1, “apresentava apenas os olhos vermelhos”.

Um médico legista foi acionado e constatou que o policial militar estava com a capacidade psicomotora preservada.

Ele foi autuado administrativamente por conduzir veículo automotor sob efeito de substância psicoativa.

O carro do PM foi apreendido porque o documento estava com o licenciamento vencido.

Polícia Militar

Em nota enviada ao G1 na noite desta segunda-feira (26), a Secretaria da Segurança Pública do Estado de São Paulo (SSP) esclareceu que não compactua com desvios de conduta de seus policiais e apura com rigor todas as ocorrências, por meio da Corregedoria das Instituições.

“A PM apura todas as circunstâncias do caso e esclarece que os fatos serão analisados de acordo com os parâmetros legais”, finalizou a SSP.

Crime ou não?

O caso registrado em Presidente Prudente ocorre em meio à discussão do julgamento, pelo Supremo Tribunal Federal (STF), da ação que decidirá se o porte de drogas é crime.

O ministro Alexandre de Moraes liberou na sexta-feira (23) para julgamento a ação que decidirá sobre o tema.

A expectativa é de que o caso só seja analisado em 2019, uma vez que a pauta até o fim do ano já está definida.

O Supremo começou a analisar a ação em 2015 e três ministros votaram. Na ocasião, porém, o ministro Teori Zavascki pediu vista, ou seja, mais tempo para estudar o caso. Teori morreu em 2017 e, ao se tornar ministro, Alexandre de Moraes herdou o processo.

Moraes, então, estudou o processo por quase um ano e meio e, agora, liberou o tema para julgamento.