Polêmica: Mãe cogita depilar a filha de apenas 6 anos

30/11/2018 às 08:37. Comente esta notícia!

A criança se recusa a nadar por conta dos pelos escuros e compridos nas pernas e nas costas

A mãe publicou uma foto da perna da filha com pêlos (Foto: Reprodução/Mumsnet)

No fórum britânico Mumsnet, uma mãe disse estar considerando deixar que a filha se depile, mesmo ela tendo apenas 6 anos de idade. Reconhecendo que a ideia soava ridícula, ela pediu a opinião de outras mães, pois a pequena está realmente incomodada com os pelos escuros em sua perna, se recusando até mesmo a entrar na piscina.

“Ela sempre teve um monte de pêlos nas pernas e nas costas. Eu achava que era algo de bebê e que passaria com o tempo, mas eles ficaram cada vez mais escuros e compridos. No último verão, ela descobriu que as outras garotas da escola não eram assim e me perguntou se havia alguma forma de tirá-los”, escreveu a mãe, aflita.

Apesar de ter conversado com a filha sobre como os corpos são diferentes e que está tudo bem com isso, a criança voltou a falar do assunto durante o ano letivo. “Eu precisei me certificar de que nenhum colega estava implicando com ela, mas é ela mesma quem tem um problema com isso […] Não sejam maldosas, eu sei que ela é muito jovem, mas só quero fazer o meu melhor para ajudá-la”, pediu ela.

Ao contrário do que esperava, muitas mães foram rápidas em apoiá-la a remover os pêlos da filha. Uma das usuárias escreveu: “Ela é muito nova, mas obviamente isso a está incomodando. Eu era a garota peluda na escola, então, sei como ela se sente”. Outra aconselhou: “Eu deixaria, se isso a incomoda tanto. Mas converse com ela primeiro para entender as razões dela. Deve ser sobre ela se sentir melhor consigo mesma, não para agradar aos outros”.

A dermatologista pediátrica Flávia Costa Prevedello, da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), acredita que o primeiro passo é identificar o motivo desse aumento de pelos na criança. “Se não houver uma doença por trás, tente fazer a criança se sentir segura e, se possível, postergue a depilação independentemente do método. Teoricamente, não existe idade limite para iniciar métodos depilatórios, no entanto, a pele da criança é mais sensível e fácil de irritar, machucar”, aponta.

Quanto aos métodos, ela explica que o uso de ceras, pinças e fios costumam ser dolorosos e, muitas vezes, inviáveis para crianças. Já a raspagem, que precisa sempre ser supervisionada por adultos, é uma solução fugaz, pois os pelos voltam a crescer em poucos dias. “Caso seja mesmo necessário, faça apenas o que a criança tolerar”, reforça.

Do ponto de vista emocional, a psicóloga Daniela Carla Prestes, do Hospital Pequeno Príncipe, aponta que ceder à depilação é tratar o sintoma e não a causa. “Estaríamos nadando contra a maré, porque, na semana que vem, este pelo já estaria lá. É necessário ir à causa, ver o que está incomodando, causando sofrimento, ensinar essa criança a lidar com as diferenças, a se perceber para além desse pelo”, explica.

Caso o sofrimento seja muito significativo, ela recomenda que a mãe procure um psicólogo, que possa auxiliar na desconstrução desse valor, do status que a criança deu a isso. “Trata-se mais de uma construção que ela fez dela própria do que algo que esteja no olhar do outro. Ela associou isso com algo ruim, feio, o que é perfeitamente compreensível em nossa sociedade, mas isso precisa ser trabalhado”, destaca a psicóloga.