Ao Vivo

Pediatra atende crianças vestido de super-herói

07/02/2020 às 09:18.

Ir ao médico dá um friozinho na barriga da criança. Mas, se o paciente mirim entrar no consultório e se deparar com o super-homem? O pediatra Ricardo Fonseca, que trabalha no Hospital Regional do Gama, em Brasília (DF), aderiu a essa ideia e está fazendo sucesso entre os pequenos. Em vez de vestir um jaleco branco, ele usa uma roupa especial de super-herói, como Super-homem, Batman, Homem Aranha e Capitão América.

Ricardo percebeu que as crianças tinham uma certa resistência toda vez que o viam com o jaleco branco. “Elas ficam traumatizadas, porque associam o jaleco às vacinas”, explica o médico. A inspiração para adotar as fantasias de super-heróis surgiu há dois anos dentro da área de odontopediatria. “Os dentistas atendiam as crianças de forma lúdica e eu achei bem interessante”.

O especialista diz que mesmo não sendo pai sempre gostou de desenhos e filmes relacionados ao universo dos heróis. Em seu trabalho, o pediatra tem seus carimbos e bonecos do mundo geek na mesa”. Seu personagem favorito é o super-homem. “Até falam que eu pareço com ele”. Nas consultas, o médico tenta interagir com as crianças para ganhar sua confiança. É uma forma de acalmá-las e diminuir a ansiedade delas. Para isso, o médico faz perguntas como que filmes elas estão assistindo e que desenhos gostam.

A empatia pelo mundo infantil surgiu quando o especialista ainda era pequeno. Ele relata que na infância começou a apresentar sintomas semelhantes à de uma encefalite viral, uma inflamação no cérebro. Sua mãe passou por muitos médicos para tratá-lo, mas o trabalho de um dos pediatras se destacou. “Ele orientou minha mãe sobre o que fazer. Foi nesse momento que percebi que eu também queria ajudar as crianças”, diz.

Há sete anos atuando como pediatra, Ricardo avalia que seu trabalho ficou bem melhor quando trouxe o lúdico para os seus atendimentos. Ele explica que as cores das roupas conquista os pequenos. “O que mais me chamou a atenção é que pacientes que eu acompanhava há dois anos e não conseguia examinar, porque choravam muito, hoje é bem mais fácil”.

Ele ainda complementa que as crianças ficam até ansiosas para irem ao seu consultório, mesmo quando não estão doentes. Nos atendimentos, além de estar caracterizado, o médico também faz truques de mágicas e dá alguns presentes personalizados para as crianças. “Muitas pensam que eu sou de fato um super-herói. Como eu uso capa, até perguntam se eu posso voar para elas verem. E eu digo: hoje não!”.

Via: Revista Crescer