Para vencer o sedentarismo é preciso mudar um hábito

03/12/2018 às 17:05. Comente esta notícia!

Nenhuma caminhada, partida de futebol ou ida à academia. Somente no Brasil, doenças relacionadas ao sedentarismo matam 300 mil pessoas por ano, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). O estudo mostra que, no mundo, são aproximadamente 3,2 milhões de mortes anuais em decorrência de doenças causadas pelo sedentarismo.

Os principais atributos que caracterizam uma vida sedentária são a falta ou diminuição drástica de atividades físicas ou esportivas. De acordo com dados do IBGE 2017, entre os motivos estão o comportamento e ritmo de vida moderna. 51% da população declararam que são sedentárias pela falta de tempo, 20,3%, por problemas saúde ou pela alta idade, além de 13,9% dizerem que não praticam atividades por não gostarem ou não terem vontade.

Diante desse cenário, a Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou o Let’s Be Active ou Vamos Ser Ativos, em portugês, um plano global para estimular a atividade física com intuito de reduzir o sedentarismo entre adolescentes e adultos em 10% até 2025 e em 15% até 2030.

O médico cardiologista cooperado da Unimed Curitiba, Rubens Zenobio Darwich, afirma que o sedentarismo pode ser considerado um problema de saúde pública e o seu combate pode diminuir a incidência de doenças e mortes prematuras, principalmente as cardiovasculares, pois a atividade física auxilia na prevenção da Hipertensão Arterial e a Aterosclerose – alteração profunda em diversas artérias do corpo humano, além do Diabetes e da Obesidade. “A pessoa de vida sedentária também experimenta um processo de regressão estrutural e funcional, que causa a perda de flexibilidade articular e hipotrofia de fibras musculares. Isso faz com que haja perda de massa magra e ganho de gordura o que, ao longo da vida, aumenta o risco dessas doenças e, principalmente, da  aterosclerose precoce, com probabilidade de  infarto do miocárdio”, explica.

Ainda de acordo com o especialista, não é difícil combater o vilão, pois para promover e manter a saúde, é recomendado realizar atividade física moderada por pelo menos 30 minutos durante cinco dias na semana ou, então, 20 minutos de atividade intensa, três vezes por semana. “Pensando na prevenção, as atividades  aeróbicas como caminhada, ciclismo ou natação, ajudam o sistema cardiovascular e respiratório, enquanto as anaeróbias como a musculação, fortalecem os músculos e ajudam no equilíbrio das articulações”, completa Darwich.

E se a atividade física é importante para uma vida saudável e combate ao sedentarismo, com o aumento da longevidade, seu impacto torna-se ainda mais perceptível. Para a médica especialista em endocrinologia, Fernanda Justus Malucelli, muitas pessoas protelam o início de uma atividade física por considerar ser necessário um investimento financeiro em academia, aulas especiais ou por não se sentirem confortáveis nesses ambientes. “Esse é um grande erro, pois na maioria das vezes uma caminhada diária é o suficiente para reduzir significativamente o risco de doenças”, conta.

Porém, ela alerta que é importante realizar uma avaliação física antes do início da atividade para avaliar se há alguma situação que contraindique determinado exercício. Neste caso, segundo Fernanda, sempre haverá uma atividade alternativa possível. “Hoje existe também um enfoque na necessidade de exercícios que preservem ou fortaleçam a musculatura, a fim de reduzir os riscos de queda e alterações da marcha, especialmente nos idosos”. Vale lembrar que a massa óssea se forma até os 25 anos e a partir de então, é preciso preservá-la com alimentação adequada e também com a atividade física regular.

Por fim, a médica reforça que os benefícios são inúmeros e que podem ser conseguidos mesmo com uma pequena disponibilidade de tempo. “É importante reservar este período, que refletirá muito positivamente na saúde de cada um de nós”.

Além disso, operadoras de saúde buscam alternativas para combater o problema e motivar a prática de atividades. A Unimed do Brasil lançou o movimento institucional ‘Mude1Hábito’ como uma campanha de conscientização que embasa todas as ações do Sistema Unimed relacionadas à qualidade de vida e ao bem-estar. O objetivo do ‘Mude1Hábito’ é demonstrar como é possível e fácil conquistar uma vida mais saudável por meio de pequenas mudanças no cotidiano, como iniciar a prática de atividade física, alimentar-se e dormir melhor, entre outras metas. A ideia é incluir-se na sua agenda. Confira a plataforma mude1habito.com.br