Ao Vivo

Papa pede fim de armamentos e brasileiros se revoltam contra ele

28/09/2018 às 11:02.

A polarização no Brasil está tão grande, que nem o Papa Francisco escapou do debate político. O pontífice está sendo acusado de ‘esquerdista’ depois de ter publicado um tuíte criticando o crescimento de políticas armamentistas.

“Rezemos para que no mundo prevaleçam os programas de desenvolvimento e não aqueles para os armamentos”, escreveu Francisco em seu perfil no Twitter, traduzido para nove idiomas.

A fala do Papa foi o suficiente para alguns usuários acusarem o líder da Igreja Católica de seguir ideologias comunistas. Mais de 400 respostas, principalmente de defensores do candidato à presidência pelo PSL, criticaram a posição do argentino.

Não é a primeira vez que o Papa Francisco critica fabricantes de armas no microblog. Em abril ele disse que “nós realmente queremos a paz? Então, vamos banir as armas para não ter que viver com medo da guerra”.

Curioso é que historicamente a Igreja Católica se mostrou contrária ao comunismo. Em 1949, o então Para Pio XII publicou uma designação popular confirmando a excomunhão automática de todos os católicos que defendessem abertamente o regime comunista. O decreto contra o comunismo faz parte de uma série de posições adotadas pela instituição ao longo do século passado, sobretudo entre as décadas de 1940 e 1950.

O ataque ao Papa Francisco é fruto da fala de alguns candidatos em favor da legalização do porte de arma no Brasil como resposta aos crescentes casos de violência. Porém, de acordo com especialistas em segurança pública, a medida é pouco efetiva para a diminuição no número de homicídios no país.