Orientação sobre tranças afro gera protesto de alunas em colégio da PM

11/10/2018 às 07:52. Comente esta notícia!

Uma orientação a alunas que usam tranças afro foi motivo de um protesto, nesta quarta-feira (10), em uma unidade do Colégio Tiradentes da Polícia Militar, em Belo Horizonte. Com cabelos trançados, estudantes se manifestaram na quadra da escola, localizada no bairro Santa Tereza, na Região Leste da capital.

Em um vídeo que circula nas redes sociais, as estudantes dizem “uma por todas, todas por uma”. Já em fotos, aparecem frases como “eu não vou alisar meu cabelo”, “seja sua própria inspiração”, e “seu cabelo é bonito”.

A tenente-coronel Lívia Azevedo Alves, que comanda as unidades do Colégio Tiradentes em Belo Horizonte e na Região Metropolitana, nega que tenha havido qualquer orientação para que alunas alisassem o cabelo. Segundo ela, teria havido um mal-entendido sobre adequações que visam a manutenção da estética militar.

“Reunimos todos os alunos com cabelo que vão contra as regras de apresentação”, disse. Segundo ela, entre esses estudantes, havia jovens com topete, cabelos pintados de duas cores e também com penteado afro. Ainda de acordo a tenente-coronel, algumas das estudantes estariam com tranças muito grossas ou muito longas, impossibilitando que os cabelos fossem presos como previsto no regulamento da escola.

Segundo ela, a orientação seria para ajustar as tranças afro para que possam ser presas em coque, trança única embutida – como as que as alunas usaram no protesto – ou rabo de cabelo. “Mas [a orientação] não foi para tirar”, afirmou.

A comandante ainda disse que já conversou com as alunas e que o mal-entendido teria sido esclarecido.

Cartaz diz "eu não vou alisar meu cabelo"; comandante nega que tenha havido orientação para alisamento ou retirada de tranças — Foto: Redes Sociais/Reprodução

Cartaz diz “eu não vou alisar meu cabelo”; comandante nega que tenha havido orientação para alisamento ou retirada de tranças — Foto: Redes Sociais/Reprodução