Ao Vivo

O grande amor da sua vida deve aparecer entre os 27 e 35 anos, diz pesquisadora

29/07/2019 às 08:32.
casal amor agua 0519 1400x800
Surkov Vladimir/ShutterStock

“Quando será que eu vou encontrar alguém?” É bem possível que indagações como esta já tenham acontecido na vida amorosa de todos. Para quem ainda se pergunta em que momento irá se deparar com o grande amor de sua vida, a matemática Hannah Fry diz ter a resposta.

Idade para encontrar o amor da vida

casal encontro divertido 0119 1400x800
GaudiLab/Shutterstock

Imagine que você tenha começado a namorar aos 15 anos e tenha planos para se casar aos 35 anos. Durante estes 20 anos, há uma certa quantidade de pessoas com quem você provavelmente irá se relacionar. Mas como saber quem será a escolhida, a pessoa certa?

Para responder a essa pergunta, Hannah desenvolveu a chamada “teoria da parada ótima”, válida tanto para relacionamentos heteroafetivos quanto homoafetivos.

Ao falar da teoria na palestra TEDTalk “A Matemática do Amor”, a pesquisadora britânica explicou que, para uma pessoa achar a sua metade da laranja, é preciso que ela rejeite o que seriam os primeiros 37% de relacionamentos de sua vida amorosa (sendo que 100% corresponderia a todas as relações que esta pessoa teria dos 15 aos 35 anos) para, então, escolher seu par ideal.

matematica do amor 2 0519 1400x800
TED/Divulgação

Segundo ela, após rejeitar os 37% dos pares iniciais, você deveria escolher se casar com a próxima pessoa que lhe parecer melhor do que todas as anteriores, sem se preocupar com candidatos melhores que poderiam aparecer no futuro e dos quais você estaria abrindo mão, nem com aqueles do passado que talvez sejam mais interessantes do que o atual. Isto, de acordo com a matemática, deve acontecer entre 27 e 35 anos.

“Você deve escolher a próxima pessoa que aparecer que for melhor que todas as outras que você viu antes (…) Pode ser provado matematicamente que essa é a melhor maneira de maximizar suas chances de encontrar o par perfeito.”

Peixes e seres humanos

protecao ovos peixes 1116 1400x800
LeventKonuk/istock

Ao falar de sua teoria, Hannah compara o comportamento humano nas relações com o de peixes quando buscam pares para se reproduzirem.

De acordo com a matemática, há grupos de peixes que se valem de um comportamento similar ao da “teoria da parada ótima” e também rejeitam os 37% primeiros pares que avistam na temporada de reprodução.

“Eles escolhem o próximo peixe que aparecer depois dessa janela de reprodução. Aquele que seja, sei lá, maior e mais corpulento que todos os outros peixes que viram antes.”

Na visão de Hannah, os seres humanos agem de maneira análoga aos peixes – ainda que subconscientemente.

“Nós esperamos um certo tempo para entender o mercado quando somos jovens e só começamos a procurar seriamente por candidatos ao casamento quando nos aproximamos dos 30 anos.”

Riscos da teoria

hanna fry ted 0519 1400x800
TED/Divulgação

Em sua palestra, Hannah apresentou alguns riscos possíveis que a descoberta do amor da vida após os 37% de vivência amorosa.

Uma das questões levantadas pela própria pesquisadora é: e se o(a) parceiro(a) perfeito(a) aparecer antes de a pessoa viver os 37% de casos amorosos? “Se estiver acompanhando a teoria, receio que não vai aparecer ninguém que seja melhor do que os que você já viu. Você teria que seguir rejeitando todos e morrer sozinho”, prevê Hannah.

Ou então, o que fazer se a pessoa que aparecer após a fase de rejeição for chata e entediante? “Se você estiver acompanhando a teoria, receio que terá que se casar com ela e acabar com um relacionamento que está, francamente, abaixo do ideal”, lamenta Hannah.

É por esses motivos que a pesquisadora traz um alerta importante: a teoria não oferece 100% de precisão.

Via: Vix