Ao Vivo

O curitibano faz muita barbeiragem no trânsito? Veja as infrações mais cometidas

19/07/2017 às 10:04.

Ultrapassar o limite de velocidade, estacionar em local proibido e trafegar pelas faixas de uso restrito aos ônibus. Esses são alguns dos itens que lideraram o ranking de multas em Curitiba durante o primeiro semestre de 2017. No entanto, o leque de infrações de trânsito registrado na cidade é ainda mais amplo.

O uso do celular ao volante tem lugar de destaque entre os motoristas curitibanos. Embora seja uma infração gravíssima com multa de R$ 293,47 e perda de sete pontos na carteira de habilitação, essa foi uma das principais violações ao Código de Trânsito Brasileiro registradas na capital de janeiro a junho de 2017. Os dados são da Secretaria Municipal de Trânsito (Setran).

Somando as penalizações recebidas ao mandar mensagens, conversar e segurar o aparelho, foram emitidas 17.716 multas, o que equivale a 4,9% de todas as infrações.

Estacionamento proibido

Outro campeão na geração de notificações é o “estacionamento proibido” em calçadas, guias rebaixadas, esquinas, canteiros centrais e, principalmente, nas vagas de idosos. Apenas na capital, essas penalidades ficaram com a posição de vice-campeã com 128.641 multas, ou 35,7% do total.

“O que a gente mais vê é carro estacionado na faixa amarela com placas de proibição. Já vi até veículo estacionar em cima da faixa de pedestres, obrigando os transeuntes a darem a volta pra atravessar a rua. É uma falta de respeito sem tamanho”, comentou a vendedora Fátima Guimarães Santos, 45.

Para ela, essa e outras violações no Código de Trânsito serão cada vez mais frequentes enquanto o respeito não for aprendido em casa. “Não adianta apenas termos leis rígidas e multas cada vez mais caras. O que precisamos é que os pais deem o exemplo para seus filhos. Meu marido trabalha como motorista e nós sempre orientamos nossos quatro meninos a respeitarem as leis. Afinal, se isso não for aprendido dentro de casa, o mundo vai ensinar da pior forma. E nem sempre a vítima de um acidente de trânsito tem essa segunda chance”, pontuou.

Via: Tribuna do Paraná