Mutirão de exames é realizado em três hospitais de Curitiba

31/03/2017 às 07:45.
(foto: Joel Rocha/SMCS)

Uma visita do prefeito Rafael Greca e do secretário municipal da saúde de Curitiba, João Carlos Baracho, ao Hospital Erasto Gaertner, deu início ao Mutirão de Exames Complementares nesta quinta-feira (30/03). O mutirão faz parte do calendário de comemorações do aniversário de Curitiba e também é parte da estratégia Saúde Já, lançada no último mês.

Com um investimento R$ 12 milhões e a perspectiva de beneficiar 200 mil pessoas aproximadamente, o Saúde Já prevê um conjunto de ações para diminuir o tempo de espera nas filas por exames, consultas e cirurgias na capital. Apenas no mutirão de Exames Complementares serão beneficiadas 72.245 pessoas, 46.827 a mais que o previsto inicialmente. Além do Hospital Erasto Gaertner, o mutirão de Exames Complementares será realizado no Hospital Cruz Vermelha e Hospital do Idoso.

“Aqui em Curitiba a fila da saúde anda. Essa demanda que estava reprimida, que passou toda a gestão do meu antecessor sem ser realizada, está sendo resolvida agora”, disse Greca. “Eu coloquei R$ 12 milhões do orçamento municipal para fazer com que nossa população seja mais bem servida pelo SUS curitibano.”

O secretário da Saúde ressaltou que a estratégia Saúde Já foi criada para resolver o problema de forma definitiva. “Ao mesmo tempo, vamos atender de forma vigorosa nos postos de saúde para que não se formem novas filas”, afirmou Baracho.

De acordo com o superintendente do Hospital Erasto Gaertner, Adriano Lago, o Saúde Já “otimiza a capacidade e estrutura hospitalar em benefício do paciente.”

Juliana da Silva Rocha, 17 anos, atendida no Hospital Erasto Gaertner, é uma das beneficiadas pelo mutirão. Ela aguardava ser chamada para fazer uma ultrassonografia do abdômen há mais de um ano. Durante esse período, sofreu com dores e inchaço na barriga. “Com o exame, vou poder descobrir o que realmente tenho e fazer o tratamento”, afirmou Juliana.

O gerente comercial Sandro Rogério, 39 anos, aguardava há sete meses por uma ressonância magnética. Ele foi vítima de um acidente e tem dores na coluna. “Eu cheguei a pensar em parcelar em 20 vezes o exame e fazer particular, mas tive problemas financeiros e não foi possível. Fiquei aguardando ser chamado. Foi uma surpresa, quando fiquei sabendo do agendamento”, disse.

Maria de Lourdes Fontoura, 55 anos, estava na fila da endoscopia desde 2015. Durante todo o período, vem sofrendo com dores no estômago e azia. “Estou feliz, agora vamos poder ver o que eu realmente tenho.”

Funcionamento

No mutirão de Exames Complementares serão realizados ecocardiografia transtorácica, ultrassonografia do aparelho urinário, ultrassonografia de articulação, ultrassonografia de abdômen superior, ultrassonografia de tireóide, teste ergométrico, ressonância magnética, endoscopia, ultrassonografia mamária, ultrassonografia de próstata, raio-x de tórax.

Com a inclusão de mais tipos de exames no rol do que havia sido previsto anteriormente, mais pessoas estão sendo atendidas. Entre os exames incluídos estão a endoscopia e a ultrassonografia de aparelho urinário.

Só na fila da endoscopia, por exemplo, 21.322 pessoas serão atendidas. Sem o mutirão do Saúde Já, a espera por uma endoscopia pode durar 14 meses. Na fila da ultrassonografia de aparelho urinário havia uma fila de espera de 14 meses, com 8.518 pessoas aguardando. Outro campeão de fila incluído é a ultrassonografia de articulação, com uma espera que poderia chegar 32 meses e uma fila de 15.374 pessoas.

A ultrassonografia de abdômen superior tinha espera de 32 meses e 4.070 pessoas aguardando. A ultrassonografia de tireóide registrava uma espera de 31 meses e fila de 7.229 pessoas.

O secretário Baracho lembra que os usuários que estão na fila serão convocados, não havendo necessidade de buscar as unidades de saúde. A orientação apenas é para que aqueles que tenham mudado de endereço, busquem manter o cadastro atualizado no posto de saúde.

Baracho também solicita aos usuários que, se não puderem comparecer ao agendamento realizado, avisem a unidade de saúde com antecedência, para que outro usuário da fila possa ser chamado. “Precisamos evitar o absenteísmo e o desperdício de recursos públicos”, diz.

Especialidades

Na estratégia Saúde Já, além da ação continuada de exames complementares, já foram lançados também os mutirões de dermatologia, cardiologia e a revitalização do Laboratório Municipal. Os próximos a serem lançados serão o mutirão de Ortopedia e de Cirurgia Vascular.

No Ato de Revitalização do Laboratório Municipal, no dia 7 de março, o prefeito Rafael Greca anunciou o fim das cotas para exames laboratoriais impostas pela gestão do ex-prefeito Gustavo Fruet, Com a capacidade do laboratório retomada, a fila de 330 mil exames deverá ser equacionada em dois meses pela nova gestão.

No mutirão de Dermatologia lançado no dia 9, estão sendo atendidas no Hospital Evangélico 15.810 pessoas que aguardavam consultas dermatológicas e 4.260 que esperavam para realizar pequenas cirurgias de pele.

No mutirão de Cardiologia lançado no último dia de 16, no Hospital do Idoso, estão sendo atendidas 6.066 pessoas.

Para 6 de abril está programado o lançamento do mutirão para a área de Ortopedia. Há 25.405 pessoas na fila aguardando e o tempo médio de espera chega a 22 meses, se não houver uma ação como a do Saúde Já. No caso de cirurgia de cotovelo, a espera poderia chegar a 82 meses.

O quinto mutirão será de Cirurgia Vascular, previsto para iniciar em 27 de abril. Com 11.098 pessoas aguardando atendimento, o tempo de espera costumava ser de 20 meses.

Via: Bem Paraná