Ao Vivo

Município recebeu 1.997 pedidos de transferências de estudantes de escolas privadas

24/07/2020 às 08:03.

Foto: Pixabay

A rede municipal de ensino de Curitiba já recebeu, desde o início da pandemia, em março, 1,9 mil transferências de estudantes da rede privada para escolas e Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs).

O atendimento da Prefeitura é universal a partir dos 4 anos, ou seja, todos que demandam vaga são atendidos.

Mesmo com esses novos pedidos de matrícula, a rede curitibana ainda tem cerca de dez mil vagas que podem ser preenchidas.

A rede municipal atende Educação Infantil, Ensino Fundamental e Educação de Jovens e Adultos (EJA) fase I.

Como fazer

As famílias que quiserem migrar para escolas municipais devem procurar os Núcleos Regionais da Educação, nas Ruas da Cidadania.

Os interessados devem procurar o Núcleo de seu bairro com os seguintes documentos:

– Certidão de Nascimento da criança (original e cópia)

– Declaração de transferência ou histórico da escola de origem

– Cópia de RG e CPF dos pais ou responsáveis

– Se a criança tiver cadastro no Programa Bolsa Família do governo federal, deverá informar o código do NIS (Número de Identificação Social)

 – Para comprovante de endereço deverá apresentar o talão de conta da Copel recente

– Declaração de vacina da criança (que pode ser retirada em qualquer posto de saúde)

Cada um dos dez Núcleos Regionais irá direcionar o estudante para a unidade onde há vaga.

A página da Educação disponibiliza os contatos dos Núcleos, na aba da esquerda.

Videoaulas

Crianças e estudantes que estão migrando precisam acompanhar as videoaulas e desenvolver as atividades pedagógicas propostas neste período pela rede pública, para que possam acompanhar os conteúdos no momento do retorno das aulas presenciais, ainda a ser definido pela Prefeitura de Curitiba. O material está disponível no YouTube e nos canais 9.2 UHF da TV Paraná Turismo e 4.2 Rede Massa.

Além das videoaulas, crianças e estudantes da rede curitibana recebem atividades complementares elaboradas pelos professores das unidades onde estão matriculados. A cada 15 dias, as famílias retiram esse material diretamente nas unidades, com o uso de máscara e sem aglomerações.

Desde a estreia, em 13 de abril, já são mais de 14 milhões de visualizações e 92 mil inscritos no canal.

Estão disponíveis propostas da educação infantil e videoaulas de matemática, língua portuguesa, robótica, geografia, educação física, arte, ciências, história, ensino religioso, práticas da educação integral, literatura, direitos humanos e família, programa Linhas do Conhecimento, além da Educação de Jovens e Adultos (EJA).

Na TV, são 13 horas de programação diária, das 8h às 21h. No YouTube, o conteúdo fica disponível nas playlists por componente curricular: matemática, história, robótica, etc.

É só acessar o canal e assistir à aula referente ao ano no qual o estudante está matriculado.

Por enquanto, o decreto número 779 fixa a suspensão das aulas presenciais até o dia 2 de agosto. Mas a data exata do retorno das aulas presenciais depende da avaliação do quadro epidemiológico da cidade.