Mulher de esquiador medalhista que perdeu filha afogada escreve post emocionante: “Nosso bebê no céu”

27/12/2018 às 09:25.

Morgan Beck, esposa do medalhista olímpico Bode Miller, escreveu texto emocionante em homenagem à pequena Emmy, que morreu em junho deste ano

Morgan postou a foto da família no Instagram (Foto: Reprodução/ Instagram)

Poucas coisas devem ser tão difíceis como perder um filho. Passar por uma data comemorativa tão impactante como o Natal depois de um acidente como esses também não é nada fácil. A família do medalhista olímpico norte-americano Bode Miller que o diga. O atleta e a esposa, Morgan Beck, perderam a filha Emmy, de 1 ano, afogada na piscina da casa dos vizinhos em junho deste ano, durante uma festa. O casal tinha mais dois filhos e Morgan estava grávida, na época. Neste dia 25, a mãe fez um post em seu perfil no Instagram e emocionou a internet. Confira o que ela disse:

“Feliz Natal para nosso bebê no céu. Sentimos tanto a sua falta! 2018 tem sido um ano cheio de tristezas avassaladoras e alegrias avassaladoras. Passamos metade do ano de luto e tentando nos recuperar da perda de nosso anjo, o que parece uma batalha impossível. Ao mesmo tempo, celebramos o nascimento do nosso filho. A busca por uma normalidade para nossos filhos tem sido a força que nos move para frente. Normalmente, eu estaria olhando para um recomeço em 2019, mas não há recomeço depois de perder uma criança. Então, por um 2019 cheio de crescimento pessoal e pela criação de memórias com meus bebês, cheio de sorrisos e gargalhadas. Desejo que todos tenham uma temporada de festas especial, cercado por pessoas amadas”.

PARA PREVENIR AFOGAMENTOS
Ninguém escolhe passar por situações como a que a família de Bode Miller viveu – e ainda vive. No entanto, crianças são rápidas e acidentes acontecem em um piscar de olhos. Nesta época do ano, quando muita gente viiaja, e as crianças podem ficar perto de piscinas, todo cuidado é pouco. Aliás, a atenção deve ser plena mesmo quando não há piscina ou mar, já que um balde pode ser suficiente para causar afogamentos.

A supervisão dos pais é a principal forma de prevenção, já que bastam 30 cm de água para a criança se afogar. No mar, ela deve estar  acompanhada de um adulto que saiba nadar. Além disso, ensine seu filho a respeitar as placas de perigo e não fazer brincadeiras que facilitem acidentes na água, como dar “caldos” e cambalhotas. Na piscina, oriente-o a não brincar próximo aos filtros, que podem sugar o cabelo ou os membros, bem como pular ou mergulhar. Se optar por usar boias no mar, redobre a atenção por causa de correntes e ondas, que podem deslocar a criança para longe. Na piscina, elas são uma excelente opção, mas prefira os coletes, que são mais seguros.