Ao Vivo

Motorista de app se recusa a levar surfista cego e seu cão-guia: ‘Preciso que você se retire’

22/11/2019 às 15:23.

O surfista Derek Rabelo, de 27 anos, que é deficiente visual, foi impedido de embarcar com a presença do cão-guia dele em um carro que prestava serviço de transporte pelo aplicativo ‘Uber’ em Florianópolis.

Um vídeo feito pela sua mulher mostra a recusa da motorista: mesmo argumentando e apresentando os documentos exigidos, a motorista foi irredutível. O caso, que ocorreu na quarta-feira (18), foi registrado na polícia.

“Olha só, eu preciso que você se retire […] eu preciso trabalhar. Eu não vou ficar parada aqui esperando […] eu preciso seguir, eu estou trabalhando”, disse a motorista no vídeo. Ao ser questionada pelo surfista sobre a negativa ela afirmou que “não leva cachorro no carro”.

No vídeo, Derek tenta explicar que é um direito garantido, previsto em lei o direito a usar o cão-guia. Mas, a motorista diz que não tinha passado pela situação, pede para que avise na solicitação do serviço e insiste para que ele saia do carro.

O surfista permaneceu no carro e acionou a polícia, que ao chegar no local fez um Boletim de Ocorrência.

“Sou cego, usuário de cão-guia, e o Uber não quer me levar”. diz Derek, no momento em que telefona para a Polícia Militar.

A resposta da Uber relativamente ao ocorrido:

A Uber informou que não verificou a ocorrência porque ainda não tem informações completas sobre o usuário, o veículo e a motorista que permitam identificá-los. “Sem isso, não é possível à Uber verificar se a ocorrência mencionada tem de fato alguma relação com o aplicativo”.

Mas a empresa ressaltou que os motoristas do aplicativo precisam cumprir a lei: “a Uber tem como política que os motoristas parceiros cumpram a lei e acomodem cães guia. Se comprovada a recusa de um animal de serviço, o motorista parceiro envolvido poderá perder permanentemente o acesso à plataforma”.

O que diz a Lei:

Lei nº 11.126, de 27 de junho de 2005

Art. 1º É assegurado à pessoa com deficiência visual acompanhada de cão-guia o direito de ingressar e de permanecer com o animal em todos os meios de transporte e em estabelecimentos abertos ao público, de uso público e privados de uso coletivo, desde que observadas as condições impostas por esta Lei.

Vale relembrar que em Julho passado, um motorista da mesma empresa foi suspenso em Itajaí, depois de ter recusado uma corrida com dois deficientes visuais que estavam acompanhados de seus cães-guia.