Ao Vivo

Morre o advogado curitibano René Dotti, aos 86 anos

12/02/2021 às 08:20.

Foto: Sylvio Sirangelo / TRF4

O advogado curitibano René Ariel Dotti, um dos mais respeitados do Brasil, morreu nesta quinta-feira (11), aos 86 anos, vítima de uma parada cardiorespiratoria. A morte aconteceu em casa, segundo as primeiras informações. A OAB emitiu uma nota oficial sobre a perda do respeitado advogado criminalista. Leia mais abaixo.

Em seu escritório de advocacia, aberto em 1961, empregava mais de 30 advogados. Esteve em alguns dos mais polêmicos casos do direito no Paraná e Brasil, como defender a Petrobras nos julgamentos envolvendo a Operação Lava Jato, protagonizando uma das cenas mais marcantes do julgamento, quando durante o depoimento do ex-presidente Lula, interveio em defesa do juiz Sérgio Moro.

Também defendeu o ex-deputado Carli Filho no polêmico caso envolvendo o acidente que vitimou Gilmar Yared e Carlos Murilo de Souza, em 2009. Na época da ditadura militar, defendeu senadores e ex-deputados.

Nascido em Curitiba no Dia da República, 15 de novembro de 1934, formou-se pela Universidade Federal do Paraná em 1958, integrou o corpo docente de várias universitárias, bem como diversos conselhos e comissões, inclusive nos governos municipal, estadual e federal, além da Ordem dos Advogados do Brasil. Autor de pelo menos 10 livros e centenas de artigos, era referência para os alunos de direito de todo o país.

René Dotti deixa a esposa Rosarita, as filhas Rogéria e Cláudia e netos e os netos Gabriel, Pedro, Lucas e Henrique.

Nota da OAB

A OAB lamentou profundamente o falecimento do jurista René Ariel Dotti, medalha Vieira Neto e um dos mais reconhecidos advogados penalistas do Brasil. Professor René, como gostava de ser chamado, era titular de Direito Penal da Universidade Federal do Paraná. Diante da perda, a seccional decreta luto oficial de três dias.

“Infelizmente o professor René nos deixou. É um dos dias mais tristes da advocacia paranaense. A figura do professor René era referência da advocacia paranaense no cenário nacional e internacional. Um democrata, um defensor das liberdades, um humanista, um incentivador da cultura, um jurista, um exemplo de pai de família, enfim, um homem completo, alguém que será lembrado para sempre na história do Paraná e do país. É uma perda irreparável para o Brasil”, afirma o presidente da OAB Paraná, Cássio Telles.

Na OAB exerceu diversos papéis tanto na seccional quanto em nível nacional. Foi conselheiro seccional nos anos 1960 e 1970 e integrou diversas comissões como a Comissão da Verdade no Âmbito da seção Paraná e a Comissão de Apoio à Criação do Tribunal Regional Federal no Estado do Paraná. No Conselho Federal, presidiu a Comissão Especial de Estudo do Projeto do Novo Código de Processo Penal e foi relator do anteprojeto de nova Lei de Imprensa.

Homenagens

Em 2016, a OAB Paraná realizou um evento em homenagem ao jurista que contou a presença de grandes nomes do direito nacional, entre eles Miguel Reale Junior, que o definiu da seguinte maneira: “René Dotti é um sonhador com os pés no chão. Por isso, um sonhador que realiza. Sou eterno devedor do entusiasmo que ele gera na minha vida”, disse o também penalista.

Sua atuação foi aguerrida durante o regime militar, tendo atuado como defensor das liberdades e dos direitos fundamentais. Posteriormente, foi homenageado pela Câmara dos Deputados e pela Ordem dos Advogados do Brasil pela atuação em defesa de presos e perseguidos políticos.

Era membro da Academia Brasileira de Direito Criminal, da Academia Paranaense de Letras, da Academia Paranaense de Letras Jurídicas e da Sociedade Mexicana de Criminologia. Dotti também foi membro da Comissão de Juristas, instituída pelo Senado Federal, para elaborar o anteprojeto do Código Penal (2011)

Entre diversas homenagens, além da Medalha Vieira Neto, o jurista recebeu a Medalha Santo Ivo, Padroeiro dos Advogados, concedida pelo Instituto dos Advogados Brasileiros, a Comenda Mérito Judiciário do Estado do Paraná, conferida por decisão unânime de Órgão Especial, do Tribunal de Justiça do Paraná (2014).

Deixa a esposa Rosarita, as filhas Rogéria e Cláudia e netos e os netos Gabriel, Pedro, Lucas e Henrique. A Ordem dos Advogados do Brasil, seção Paraná, presta as mais sinceras condolências aos familiares e amigos manifesta as mais profundas condolências.

Via: Tribuna Do Paraná