Ao Vivo

Moradores ajudam alunos a repor latinhas roubadas: dinheiro era pra viagem

27/09/2018 às 08:38.

Uma lição de solidariedade dada por moradores da cidade de Irati, região central do Paraná.

Eles ajudaram a repor o dinheiro de latinhas que foram roubadas, mais de 50 quilos. Elas tinham sido arrecadadas por alunos, professores e funcionários do centro municipal de educação infantil (CMEI), Alexandre Iarema, para pagar o lanche das crianças durante para uma viagem a Curitiba.

Mas depois de um mês de trabalho, a turma foi surpreendida pela ação de ladrões que levaram tudo. Só que a força dos moradores unidos foi maior. Eles ajudaram os estudantes a realizar o sonho de visitar o zoológico e o Jardim Botânico. (veja abaixo)

O furto foi um balde de água fria na turma.

“O primeiro momento foi de desespero e choro. As professoras pensaram ‘Meu Deus, e agora? O que vamos fazer? Não vai ter lanche para as crianças’. Avisamos na rádio e nas redes sociais sobre o roubo e pedindo doações”, comentou a diretora Avani Zanlorenzi.

Aqui o anúncio pelas redes:

“Hoje seria o dia que nossos aluninhos iriam vender as latinhas recicladas que eles e seus familiares juntaram para comprar lanches para a viagem que irão fazer ao Zoológico e ao Jardim Botânico na quarta-feira dia 12/09 como parte do projeto ” Explorando os Seres Vivos além dos Muros da Escola”.
Digo seria… porque as latinhas foram roubadas…mais de 50kilos …trabalho de um mês das crianças reciclando…o pior foi ver a tristeza e decepção das crianças pois elas iriam vender as latinhas e elas mesmas iriam ao mercado fazer as compras…lanchinhos e guloseimas para a viagem… Triste saber que existem pessoas tão más…

Se alguém tiver latinhas para nos doar até amanhã…agradecemos de coração…👍👍”

Deu certo!

O anúncio do roubo mobilizou a comunidade.

“Começaram a surgir latinhas, latinhas, latinhas. A gente arrecadou o dobro do que tinha e um pouco mais”, contou Avani.

Um grupo de pais se reuniu para fazer os lanches na madrugada do dia do passeio programado.

E, mesmo depois da viagem, mais latinhas foram doadas.

“Deu para pagar o lanche, o almoço e para investir em mais projetos aqui na escola”, comemorou a diretora.