Ministério Público pede bloqueio de R$ 5 bilhões da Vale

27/01/2019 às 10:47. Comente esta notícia!

Helicóptero sobrevoa área do desastre do rompimento da barragem em Brumadinho, neste sábado (26) — Foto: Douglas Magno/AFP.

 

O procurador-geral do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), Antônio Sérgio Tonet, disse neste sábado (26/01) que o órgão protocolou uma ação cautelar contra a mineradora Vale na comarca de Brumadinho. No documento encaminhado à Justiça, é pedido o bloqueio de R$ 5 bilhões, para “despesas ambientais” após o rompimento da barragem.

 

Vaca atolada na lama que vazou da barragem em Brumadinho — Foto: AFP/Douglas Magno.

 

“Essa primeira cautelar – nós estamos trabalhando com outras cautelares ainda hoje – pede bloqueio de R$ 5 bilhões para despesas ambientais. Há um trabalho intenso também da Promotoria de Diretos Humanos em conjunto com a Defensoria Pública na questão humanitária, na questão da indenização mais célere possível das vítimas atingidas”, disse Tonet.

O rompimento da barragem foi no início da tarde da última sexta-feira (25/01). Até o início da tarde de ontem, havia 10 mortes confirmadas pelos bombeiros e 299 desaparecidos, mas o dia terminou com mais de 30 mortes já confirmadas e 250 desaparecidos.

De acordo com o procurador-geral, a barragem que se rompeu já era investigada pelo órgão. Segundo ele, a apuração era preventiva e, em novembro do ano passado, a mineradora apresentou uma petição, em que atestava a segurança da estrutura.

Tonet disse que, neste momento, a investigação criminal ficará a cargo da Polícia Civil. Questionado se o Ministério Público poderia pedir a prisão de algum envolvido no desastre, ele afirmou que, caso algum suspeito esteja impedindo a investigação ou haja risco de fuga, por exemplo, o órgão poderá, sim, tomar esta

R$ 1 bilhão já havia sido bloqueado

Em pedido anterior, a Justiça de Minas Gerais determinou, no fim da noite de sexta-feira (25/01), o bloqueio de R$ 1 bilhão em contas da Vale, após o rompimento da barragem da mineradora em Brumadinho, na região metropolitana de Belo Horizonte.

Segundo decisão liminar do juiz Renan Chaves Carreira Machado, o bloqueio atende a um pedido do governo do estado de MG para “imediato e efetivo amparo às vítimas e redução das consequências” do desastre.

O valor bloqueado deve ser transferido para uma conta judicial. Entre outras medidas, a mineradora também fica obrigada a apresentar um relatório sobre as medidas já tomadas de ajuda às vítimas em até 48 horas.

Leia a matéria completa: G1.