“Meu filho, que é autista severo, começou a chorar e ele mandou a gente descer”, diz mãe sobre motorista de app

05/02/2020 às 09:53.

Segundo a mãe, Patricia Vieira, o caso aconteceu nesta segunda-feira (3), em Mogi das Cruzes, São Paulo. Ela, que compartilhou a história nas redes sociais, disse que registrou um boletim de ocorrência contra o motorista

Um caso tem provocado revolta nas redes sociais desde esta segunda-feira (3). “Hoje fui levar meu filho que tem autismo para a terapia e pedi um carro pelo aplicativo 99. Durante a viagem, ele começou a chorar. O motorista mandou descermos do carro e nos largou na rua. Queria que vocês me ajudassem a compartilhar a foto desse covarde preconceituoso”, escreveu a mãe, Patricia Vieira, que é de Mogi das Cruzes, São Paulo. Em poucas horas, o post teve mais de 2 mil compartilhamentos, e diversas pessoas criticaram a conduta do motorista.

Em entrevista à CRESCER, Patricia contou que o filho de 14 anos é autista não-verbal, ou seja, não fala. “Ele é autista severo, vive na rotina dele. Ele queria ir pra natação e o arrumei. Então, chamei o motorista. Meu filho entrou no carro e, em seguida, chorou um pouco. Nesse momento, o motorista falou que não iria nos levar, parou o carro e mandou a gente descer”, conta. “Eles nos deixou na rua, nem na frente da nossa casa ele voltou. Não nos explicou nada. Eu entrei em choque, não conseguia falar nada. Meu filho está desde ontem em crise, chorando, porque queria ter ido pra natação”, completou.

Segundo ela, o menino costuma ficar quieto quando anda de carro. “Às vezes, ele chora”, afirma. Patricia fez uma reclamação formal no aplicativo e disse que registrou um boletim de ocorrência na polícia civil esta tarde (4).

O QUE DIZ O 99?

O aplicativo 99 se pronuncou através de uma nota enviada pela assessoria de imprensa, dizendo que lamenta profundamente a situação, que repudia qualquer tipo de preconceito e tem uma política de tolerância zero em relação em situações como essa:

“A empresa orienta e sensibiliza seus motoristas parceiros a atenderem passageiros com gentileza e respeito. Em seus termos de uso, a 99 ressalta que motoristas parceiros não podem selecionar passageiros por quaisquer motivos, além de tratá-los com boa fé, profissionalismo e respeito. Assim que tomamos conhecimento do caso, banimos o motorista e mobilizamos uma equipe que está buscando contato com Patrícia e seu filho para oferecer todo o apoio e acolhimento necessários. A 99 está disponível para colaborar com a investigação da polícia.

A plataforma reitera que investe continuamente para prevenir esse tipo de situação. A empresa realiza periodicamente rodas de conversas para orientar motoristas parceiros a terem uma postura de respeito e gentileza com todos. Além de uma nova plataforma de cursos para 100% dos motoristas com foco em diversidade e cidadania.”

A empresa finalizou orientando que passageiros e motoristas que tenham sofrido qualquer situação semelhante informem imediatamente à empresa, por meio do app ou pelo telefone 0800-888-8999.

Via: