Menino de 5 anos pede “desculpas” à mãe antes de morrer em seus braços

12/11/2018 às 14:22. Comente esta notícia!

Charles Proctor tinha um tipo raro de câncer e faleceu na última sexta-feira, 9, no colo de sua mãe, Amber, em Lancashire, na Inglaterra.

A mãe postou uma foto de Charlie com asas de anjo para avisar a quem acompanhava sua história que ele havia partido (Foto: Reprodução/Facebook)

Ninguém está preparado para receber a notícia de que o filho tem câncer, ainda mais quando se trata de uma criança. E nada é capaz de preparar um pai e uma mãe para ver essa criança perder a batalha. Foi o que aconteceu com a britânica Amber Schofield, 24 anos. Na última sexta-feira, 9, ela segurava o pequeno Charles no colo, quando ele deu seu último suspiro. Em um post emocionado na página que criou no Facebook para contar a história do garoto e pedir ajuda finananceira para que ele pudesse realizar um transplante nos Estados Unidos, ela relatou que, algumas horas antes, o menino disse a ela: “Mamãe, me desculpe por isso”.

Charles foi diagnosticado com um hepatoblastoma, um câncer raro no fígado, em 2016. Desde então, os pais, Amber e Ben, passaram a fazer de tudo pelo tratamento. Eles criaram, inclusive, a página para compartilhar a história do menino e levantar fundos para o transplante, o que daria a ele chances maiores. A família, no entanto, não conseguiu angariar nem a metade do valor, £ 855.580 (o equivalente a R$ 4 milhões). A cantora Pink era uma das pessoas que acompanhavam o caso online.

A publicação em que Amber anunciou que o garoto havia partido foi feita no sábado (10). “Na noite passada, às 23h14, meu melhor amigo, meu mundo, Charlie, deu seu último suspiro. Ele adormeceu em paz, enrolado em meus braços com os braços do pai dele em volta de nós dois. Nossos corações dóem. O mundo perdeu um menininho incrível. Charlie, você me deu a chance de ser mãe. Você tem sido, não apenas nossa maior inspiração, mas uma inspiração para milhares de pessoas em todo o mundo. Você me mostrou o que o amor realmente significa, Charlie. Agora, é hora de voar. Eu estou muito, muito orgulhosa de você. Você lutou tanto. Meu bebê, dói tanto. Eu sentirei sua falta para sempre, querido. Que você tenha doces sonhos, meu bebê”, escreveu, postando uma foto em que o menino aparee com asas.

No dia da morte de Charlie, algumas horas antes dele falecer, ela publicou uma imagem em branco e preto em que aparece abraçando o filho, já bem visivelmente debilitado. Ela explicou que aquela seria a última foto que postaria do menino. “Conforme os dias passam, ele se desgasta mais e mais. Ele não se parece mais com Charlie. Ele está tão magro, que eu consigo ver e sentir cada osso do seu pequeno corpo. Onde foi parar meu bebê gordinho? Fofinho desde que nasceu!”, questionou. “Quero que todo mundo se lembre de Charlie como ele era, bochechudo, engraçado”, disse.

Especificamente nesse dia, que os pais não saberiam que seria seu último, a mãe tinha relatado que ele estava muito agitado e queria mudar de posição e se mover o tempo todo. “Em um certo momento, ele virou para mim, e disse em um tom de voz baixo: ‘Mamãe, me desculpe por isso'”, contou Amber. “Meu coração se partiu! Nenhuma criança deveria sentir esse tipo de emoção que Charlie está sentindo. Nenhuma criança! Nenum pai deveria assistir seu filho partir vagaroamente. Ter que assistir ele se desgastar desse jeito é a coisa mais dolorosa que alguém pode sentir Se o destino de Charlie for partir, então, prefiriria que os anjos tivesse vindo buscá-lo há semanas, antes dele sofrer mais”, explicou.

A última foto do menino, publicada pela mãe horas antes de Charlie partir (Foto: Reprodução/ Facebook)

“Como posso sentir tanto sua falta quando ele está deitado ao meu lado? Mas eu sinto. Sinto a falta dele. Sinto falta de ter uma conversa, de abraçá-lo, sem causar dor. Sinto falta de apertá-lo e de beijá-lo por inteiro. Sinto falta de seu sorriso, sabendo que não verei esse sorriso de novo, a não ser nas fotos. Nunca vou ouvir a gargalhada de Charlie de novo. Por favor, rezem por um milagre. Abracem seus bebês, abracem e beijem muito. Vocês não percebem quanta sorte têm”, disse ela.

Triste, mas uma forte lição.