Ao Vivo

Médicos se comunicam por ondas cerebrais com paciente paralisado: emoção

27/07/2021 às 08:29.

Dr. Edward Chang se comunica com paciente com paralisia/ Foto: Barbara Ries, Universidade da Califórnia em São Francisco EUA

Os esforços de mais de uma década de pesquisas finalmente foram concluídos com êxito depois que médicos da Universidade da Califórnia, EUA, conseguiram se comunicar com um paciente paralisado, por meio de ondas cerebrais.

A técnica desenvolvida pelo neurocirurgião da UCSF – University of California San Francisco – Parnassus Campus, Edward Chang, permite que pessoas com paralisia se comuniquem, mesmo que não possam falar.

E o primeiro foi um paciente de 30 anos que teve um derrame cerebral há 15 anos. A experiência bem sucedida, esse primeiro contato, emocionou até os cientistas.

“Ficamos emocionados ao ver a decodificação precisa de uma variedade de frases significativas […] Até onde sabemos, esta é a primeira demonstração bem-sucedida de decodificação direta de palavras completas a partir da atividade cerebral de alguém que está paralisado e não pode falar”, disse Chang, que é o autor sênior do estudo.

Os primeiros resultados do teste foram publicados no New England Journal of Medicine.

Contato histórico

“Isso mostra uma forte promessa de restaurar a comunicação por meio do uso da máquina natural da fala do cérebro. Todos os anos, milhares de pessoas perdem a capacidade de falar devido a um acidente vascular cerebral, acidente ou doença”, afirmou.

Antes, a comunicação se concentrava em restaurar abordagens baseadas na ortografia para digitar as letras uma a uma.

Decodificação de sentimentos

O estudo de Chang difere desses esforços de uma maneira incrível: sua equipe está traduzindo sinais destinados a controlar os músculos do sistema vocal para falar palavras, em vez de sinais para mover o braço ou a mão para permitir a digitação.

Para traduzir essas descobertas em reconhecimento de fala de palavras completas, David Moses, PhD, um engenheiro de pós-doutorado no laboratório de Chang, desenvolveu novos métodos para decodificação em tempo real desses padrões e modelos estatísticos de linguagem para melhorar a precisão.

As primeiras 50 palavras

Para investigar o potencial dessa tecnologia em pacientes com paralisia, Chang fez parceria com o colega Karunesh Ganguly, professor associado de neurologia, para lançar um estudo conhecido como “BRAVO” – Restauração da Interface Cérebro-Computador de Braço e Voz.

O primeiro participante do estudo é um homem de quase 30 anos que sofreu um derrame cerebral devastador há mais de 15 anos, que danificou gravemente a conexão entre seu cérebro e seu trato vocal e membros.

Desde a lesão, ele teve movimentos extremamente limitados na cabeça, pescoço, membros e se comunica usando um ponteiro preso a um boné de beisebol para inserir letras em uma tela.

Vão expandir o estudo

Olhando para o futuro, Chang e Moses disseram que vão expandir o estudo para incluir mais participantes afetados por paralisia severa e déficits de comunicação.

A equipe está trabalhando atualmente para aumentar o número de palavras no vocabulário disponível, bem como melhorar a velocidade da fala.

“Mostramos que é realmente possível facilitar a comunicação desta forma e que há potencial para uso em ambientes de conversação”, concluiu.

Com informações do GNN

Via: Só Notícia Boa