Médico acusado de matar namorada falta em audiência para ir a torneio de pôquer

07/02/2019 às 09:02.

Jovem caiu do 31º andar de um prédio, no Centro de Curitiba, em setembro de 2015; Raphael Suss Marques não merece a liberdade, sustenta promotor.

 Raphael Suss Marques foi flagrado em torneio de pôker — Foto: Reprodução/MP

Raphael Suss Marques foi flagrado em torneio de pôker — Foto: Reprodução/MP

O Ministério Público do Paraná (MP-PR) pediu a prisão preventiva do médico Raphael Suss Marques, que é acusado de matar a namorada e fisiculturista Renata Muggiati. A jovem caiu do 31º andar de um prédio, no Centro de Curitiba, em setembro de 2015.

O médico, que é o principal suspeito do crime, é réu no processo e está em liberdade desde agosto de 2017 com monitoramento de uma tornozeleira eletrônica.

De acordo com as investigações, Raphael desobedeceu a proibição imposta pela Justiça de frequentar bares e similares e foi flagrado em um torneio de pôker, em Curitiba, no mesmo dia em que apresentou uma falsa justificativa para faltar a uma audiência do processo.

O pedido de prisão preventiva e de revogação do benefício de liberdade foi feito à Justiça nesta quarta-feira (6) pelo promotor Marcelo Balzer Correa. Ele argumentou que Raphael não merece a liberdade, que já lhe foi concebida duas vezes.

Denúncias levaram o MP a casa de jogos em que Raphael estaria participando do torneio de pôquer, que foi amplamente divulgado nas redes sociais.

O caso aconteceu no dia 23 de janeiro deste ano e, ainda conforme Balzer, foi no mesmo dia em que Raphael deveria ter comparecido à audiência.

“Com tais atitudes demonstra o réu não ser digno da benesse já concedida por duas vezes, veja-se que na primeira vez em que foi colocado em liberdade agrediu uma mulher, ofendendo-lhe a integridade física, agora, desfere um tapa na cara da justiça, desmoralizando-a perante a sociedade”, disse o promotor.

O Ministério Público teve acesso ao sistema de comandas utilizadas por Raphael. De acordo com as investigações, o médico chegou ao local às 15h40 e foi embora cinco horas depois. No ranking da competição de pôker, ele aparece em quinto lugar.

A defesa de Raphael Suss Marques informou que não teve acesso ao pedido de prisão e que não vai se pronunciar porque o processo está em segredo de Justiça.

A Justiça abriu prazo de cinco dias para que a defesa dele apresente justificativa.

Relembre o crime

Renata estava no 31º andar de um prédio, no Centro de Curitiba, onde Marques morava. O médico é acusado de asfixiar e depois jogar o corpo da atleta pela janela. Ele responde por lesão corporal, fraude processual e homicídio qualificado.

No Boletim de Ocorrência (B.O), à época da morte, Marques falou que Renata se jogou e que ela estava em depressão. Desde então, a defesa dele vem sustentando que a fisiculturista se matou.

Condenado por agressão à ex-namorada

Em maio de 2017, Suss Marques foi condenado a quatro meses e cinco dias de prisão pelos crimes de lesão corporal e ameaça por ter agredido uma ex-namorada, em Curitiba.

Conforme o relato da vítima, reproduzido pelo MP, Raphael deu um tapa no peito dela, o que fez com ela se desequilibrasse e esbarrasse em uma porta, batendo o braço direito com força, causando as lesões que estão descritas no laudo de lesão corporal.

Em seguida, com o propósito de abalar a tranquilidade psíquica da vítima, Raphael – nas palavras dos promotores – ameaçou causar mal injusto e grave à ex-namorada, dizendo a ela: “se eu te pegar, eu vou te arrebentar no meio”.

Veja mais notícias da região no G1 Paraná.