Ao Vivo

Marca refaz perfume para mãe lembrar cheiro que o filho, morto pela Covid-19, gostava: ‘Unidos pelo nosso amor’

27/04/2021 às 04:48.

Após perder o filho para a Covid-19, uma mãe do Rio de Janeiro encontrou em um frasco de perfume, quase vazio, a memória do cheiro que ele gostava. Ao descobrir que o perfume não era mais vendido, a cunhada do homem entrou em contato com a fábrica e veio a surpresa: a história de dor se transformou em alegria.

O Boticário, que fica em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, resolveu produzir o perfume como presente para a mulher. A homenagem repercutiu em todo o país.

“Uso esse perfume desde que ele foi lançado. Meu marido me dava de presente, meu filho começou a dar também. Mas tive que guardar o restinho do último frasco, pois descobrimos que não vendiam mais”.

Wanda, que mora em Angra dos Reis, contou ao G1 que passou a usar o perfume somente em um momento especial.

“Como meu filho amava esse perfume, porque ele dizia que ‘tinha o cheirinho da mãe’, eu só usava quando ele vinha em casa. Foi assim até a última vez que o vi”.

Depois da morte do homem, que ficou internado por quatro dias, a esposa dele se uniu a irmã dela e também com a mãe de Alexandre para separarem o que seria doado. Foi aí que a história do perfume veio à tona.

“Quando elas chegaram para separarmos as roupas, me pegaram abraçada com o perfume, chorando, e eu contei a história. A irmã da minha nora disse que iria atrás do perfume, mas eu disse que não adiantava, porque não fabricavam mais”.

Pedido para a empresa

A cunhada de Alexandre, Karyne Leão, 42 anos, disse que tentou até comprar o perfume, mas realmente não conseguiu. Ela teve a ideia de procurar o Boticário, responsável pela fragrância, mas achou que nem seria notada. “Eu nem imaginava que seria possível o Boticário me responder. Mas eu tinha o não, fui atrás de pelo menos uma reposta para poder comprar o perfume”.

Karyne entrou em contato e contou a história de Wanda. Nisso, recebeu a resposta de que a fábrica iria produzir o perfume, mas especialmente para que a mãe pudesse manter a lembrança do filho viva. “Quando me responderam dizendo que iriam fazer, mas que seria especial para ela, eu fiquei sem entender. Na hora percebi o quanto a empresa não estava preocupada só com o dinheiro e sim com a memória afetiva que aquele perfume carregava”.

“Eu nem imaginava que seria possível o Boticário me responder. Mas eu tinha o não, fui atrás de pelo menos uma reposta para poder comprar o perfume”.

Karyne entrou em contato e contou a história de Wanda. Nisso, recebeu a resposta de que a fábrica iria produzir o perfume, mas especialmente para que a mãe pudesse manter a lembrança do filho viva.

“Quando me responderam dizendo que iriam fazer, mas que seria especial para ela, eu fiquei sem entender. Na hora percebi o quanto a empresa não estava preocupada só com o dinheiro e sim com a memória afetiva que aquele perfume carregava”.

Carta que foi assinada pelo fundador do Boticário. — Foto: Arquivo Pessoal
Carta que foi assinada pelo fundador do Boticário. — Foto: Arquivo Pessoal

Com o perfume, a empresa enviou uma carta escrita à mão e assinada pelo fundador, Miguel Krigsner, que contou sobre a origem da fragrância. Segundo o criador do Boticário, o perfume foi criado em homenagem a sua primeira filha.

“Tomamos conhecimento do significado que o perfume Annete tem nas suas memórias. Resolvemos, com apoio da nossa equipe de fábrica, fazer algumas unidades desta fragrância, especialmente para você. Queria te contar que Annete é minha primeira filha e que o perfume foi criado por ocasião do seu nascimento”, disse a carta de Miguel.

Surpresa no aniversário

Wanda completou 78 anos no domingo (25), e foi justamente no dia do aniversário que teve a surpresa revelada. Karyne disse que não contou à mulher, pois queria que ela soubesse quando o perfume chegasse, mas não deu tempo.

“Pessoal da fábrica mandou um vídeo e o fundador da empresa uma carta. Eu não sei como descrever, mas a tristeza que estava sentindo foi suavizada”.

O Boticário enviou não só o perfume que ela sentia falta, como também personalizou tudo: da caixa da embalagem até a etiqueta do código de barras. Wanda soube que iria ganhar o perfume que a fazia lembrar do filho, e entendeu isso como um sinal.

“O que eu recebi foi um carinho para a minha alma. Mesmo que aparentemente estejamos sozinhos, nunca estaremos sozinhos, sempre haverá alguém para nos ajudar, nos levantar, nos acolher. Isso é a lição que eu tiro e que gostaria de passar para todo mundo”.

Mesmo com a dor da perda do filho, Wanda disse que a atitude a fez perceber que Alexandre deixou a ela uma grande missão.

“Quando se recebe um presente desses, a gente recebe também mais responsabilidade de pensar no próximo que está do nosso lado, para secar a lágrima antes que ela caia. Uma grande lição que eu recebi. Estou muito feliz e emocionada com o carinho”.

Para Wanda, a morte precoce de Alexandre precisa ganhar algum sentido. Ela disse ter a certeza de que o filho cumpriu seu papel.

“Tenho certeza que devolvi para Deus um homem incrível. Depois da morte dele descobri muitas coisas boas que ele tinha feito para outras pessoas e que ninguém sabia. Deus não separa aqueles que se amam. Continuaremos unidos pelo nosso amor”.

Perfume recebeu o nome de Wanda na caixa e homenagem no código de barras. — Foto: Arquivo Pessoal/Reprodução
Perfume recebeu o nome de Wanda na caixa e homenagem no código de barras. — Foto: Arquivo Pessoal/Reprodução

Família abraçada

A cunhada de Alexandre disse que a atitude da empresa refletiu também na forma com que a esposa do homem passou a encarar a morte do companheiro.

“Trouxe um pouco de paz para a minha irmã. Todo mundo que conheceu o Alexandre e todo mundo que não o conheceu tem mandado mensagem. Ela está se sentindo abraçada. Ainda muito fragilizada, mas sabendo que vai conseguir passar por isso muito forte”.

Karyne disse que, para ela, a sensação de ter o pedido atendido pelo Boticário a fez ver que não deve desistir dos sonhos. E das pessoas.

“Nem tudo está perdido. Embora o momento obscuro, ainda tem gente que procura fazer o bem pelo simples fato de fazer o bem. Às vezes a gente acha que a portas estão todas fechadas, mas esquecemos de olhar para aquela janela aberta. Não se dê por vencido. Enquanto estivermos vivos e respirando, tentamos e seguimos”.

Alexandre e a família.  — Foto: Arquivo Pessoal
Alexandre e a família. — Foto: Arquivo Pessoal

Via: G1 Paraná