Mãe doa 33 litros de leite materno após perder seu bebê

04/10/2019 às 14:49.

Alexis Marrino, 22 anos, de Dakota do Sul, nos Estados Unidos, ‘perdeu o chão’ quando descobriu durante um ultrassom, com 20 semanas de gestação, que seu bebê não tinha atividade cerebral. Um especialista confirmou que se tratava de anencefalia — uma má formação rara do cérebro -— e, por isso, poderia nascer natimorto ou viver por apenas algumas horas. Após o diagnóstico, ela chegou a pensar na possibilidade de abortar a filha, mas decidiu que daria à luz porque queria desesperadamente apenas abraçá-la.

A bebê McKinleigh Marrino nasceu no dia 29 de julho e, como previsto, viveu por apenas uma hora e 10 minutos. Apesar do pouco tempo, Alexis e o marido, Michael Marrino, 25, aproveitar cada minuto, abraçando e acariciando a filha. “Foi chocante conhecê-la. Eu pensei que ela teria características diferentes. Ela definitivamente se parecia com o pai mais do que comigo. Foi uma hora e dez minutos realmente preciosos. Fiquei feliz por poder segurá-la”, lembra.

 

Alexis e o marido, Michael, com a filha (Foto: Reprodução/Daily Mail)

Após a morte da menina, a jovem de 22 anos, que sempre planejou amamentar seu bebê, decidiu extrair o leite durante sete semanas, até voltar ao trabalho. Ela conta que fez isso para poder ajudar outras crianças prematuras, em memória de sua filha. “Quando eu descobri que estava grávida, sempre pensei em amamentar. E como já tinha planejado fazer isso, então achei melhor doá-lo. No começo, foi emocionalmente difícil bombear o leite materno depois de perder meu bebê. Foi estressante e frustrante. Mas, depois de algumas semanas, tornou-se normal. Não sei se o bombeamento ajudou a processar minhas emoções, mas sei que fui uma mulher sortuda. Soube que muitas têm problemas para conseguir tirar leite depois que perdem um filho, e eu realmente não tive nenhuma dificuldade”, conta. Ela ainda diz o que a deu forças para continuar. “Eu só tinha que me lembrar para quem eu estava fazendo isso. Esse leite vai para bebês prematuros e que têm dificuldades quando nascem. Acredito que tirei 33 litros no final. Fiquei chocada quando contei tudo. As pessoas continuam me dizendo que isso ajudará muitos bebês. Tenho orgulho do quanto consegui doar”, finalizou.

 

A mãe orgulhosa da sua doação (Foto: Reprodução/Daily Mail)

Via: Revista Crescer