Ao Vivo

Mãe desabafa após menino de 5 anos sofrer bullying no colégio

19/04/2017 às 08:42.

A criança tem o rosto desfigurado por causa de uma doença muito rara: “Eu não sabia como ajudá-lo, então resolvi procurar por grupos de apoio online”

Kathleen McGrath, de 41 anos, uma mãe solteira de West Yorkshire, na Inglaterra, mora com seu filho de apenas 5 anos de idade. Recentemente, a mulher desabafou ao compartilhar a triste história de como o menino, que sofre de uma rara doença chamada linfangioma. Ele tem ouvido apelidos e gozações das crianças mais velhas no colégio.

A mulher achou que tinha preparado Benji, que tem um pequeno cisto na bochecha, como se ele estivesse chupando uma bala constantemente, para o começo do ano letivo. A sua sala de aula estaria cheia das crianças que fizeram pré-escola com ele, e elas já estão acostumada com a condição. O que a família não esperava era que o estudante virasse alvo de chacota dos alunos mais velhos.

Além disso, alguns amigos antigos do garotinho acabaram seguindo o exemplo dos colegas e passaram a praticar bullying contra o colega: “Ele é tão inteligente, engraçado e desinibido, mas quando o bullying começou, suas atitudes mudaram“, revelou ao The Daily Mirror.

Ele é tão novo no colégio, que nem sabia se poderia contar para a professora que ele estava sofrendo bullying. Ele começou a querer faltar no colégio, ele acordava chorando no meio da noite e não queria nem sair para brincar com seus amiguinhos“, revelou a mamãe. A mulher teve dificuldades para abordar o assunto com a criança: “Ele não conseguia entender por que os seus amigos mudaram tanto, então eu precisei explicar por que algumas pessoas são maldosas“, contou.

No passado, quando outras crianças perguntavam por que o rosto de Benji é diferente, Kathleen assumia a responsabilidade de explicar a doença. Agora, a dinâmica da família mudou: “É a hora de ele explicar o que é um linfangioma. Eu disse que, se eles explicar o que é quando as pessoas perguntam, alguns alunos poderão ser mais educados quando eles conhecerem mais alguém com a doença“, contou a mulher. “Ele gostou da ideia de ajudar outras pessoas e, agora, não quer remover o cisto — algo que ele precisa fazer por razões médicas“, desabafou.

Ao ser confrontada com a questão, Kathleen resolveu procurar ajuda na internet: “Eu não sabia como ajudá-lo, então resolvi procurar por grupos de apoio online“. Foi assim que ela conheceu uma instituição chamada “Mudando Faces”, uma ONG especializada em ajudar pessoas com desfigurações: “O conselheiro do Benji é incrível. Ele está ensinando-o a lidar com os problemas da vida de maneiras que muitos adultos não conseguem. Agora, ele consegue se imaginar dentro de uma armadura que retém todas as palavras maldosas ou, se isso não for o suficiente, dentro de uma bolha com o que ele mais gosta — algodão-doce, os abraços da mamãe e LEGO“, contou ao The Daily Mirror.

Via: Veja SP