Mãe de dois engravida naturalmente após adotar recém-nascida prematura

26/11/2018 às 10:25. Comente esta notícia!

Relato postado online recupera momento em que ela descobriu a gravidez depois de fazer três testes, enquanto sua terceira filha, uma recém-nascida prematura e adotada de sete semanas, dormia no colo do pai.

Rebekah: peripécias com o sling e o cadeirão (Foto: Reprodução)

Algumas histórias de maternidade parecem roteiro de novela, escrito na medida para mostrar que a vida real também tem lá suas reviravoltas cinematográficas – e que, às vezes, um relato é tudo de que a gente precisa para se lembrar disso.

Rebekah Laskowski, 27, de Madisonville, no Estado de Kentucky, nos Estados Unidos, escreveu sua experiência no site Love What Matters. Com abundância de fotos, ela conta como engravidou naturalmente de sua terceira filha biológica, Wynnie, depois de tentar por um tempo e parir um bebê nascido a pré-termo, que não resistiu. Nesse meio-tempo, ela tinha desistido de gestar naturalmente e resolveu adotar uma menina recém-nascida que nasceu prematura em um Estado distante. Goldie tinha apenas 7 semanas quando Rebekah descobriu que estava grávida. Leia o longo relato, que é emocionante.

O teste de gravidez (Foto: Reprodução)

“Se isso ficar positivo, vai ser uma loucura, amor”, disse ao meu marido, depois de fazer xixi em um teste de gravidez que eu sabia que sairia negativo. Ele estava do lado de fora da porta, segurando nossa recém-nascida, que havíamos acabado de trazer de Utah para cá, por adoção. Eu estava vomitando há duas semanas, mas só achei que estava mal. Nunca vou esquecer de vomitar na manhã em que fiz o teste de gravidez, e imediatamente querer frango frito. Foi quando me ocorreu que “esse problema estomacal pode não ser o problema do estômago, afinal de contas”. Não posso me culpar; estava sem dormir por seis semanas em uma UTI com nossa pequenina de 32 semanas, e também estava a 1.600 milhas de distância da minha filha de 4 anos.

Antes que nossas vidas tivessem essa grande reviravolta, meu marido (que também era meu primeiro namorado) e eu tínhamos dois lindos filhos biológicos, mas nossos corações sabiam que nossa família não estava completa. Oramos seguidamente para aumentar nossa família. Nós estávamos extremamente nervosos sobre ter outro filho biológico. Tive descolamento da placenta, e nosso filho saudável nasceu pré-termo. Sabíamos que a adoção estava em nossos corações e sentimos que era um sinal para avançarmos com a expansão de nossa família por esse meio. Tão logo falamos com nossos consultores, nos ligaram a uma menina que nasceria no fim de junho. Mas mal sabíamos que, na época, nossa garota Goldie tinha outros planos. Ela decidiu que não podia esperar para conhecer sua preciosa primeira mãe e nós!

Goldie nasceu prematura (Foto: Reprodução)

Goldie Mae chegou ao mundo quase 10 semanas antes, em abril de 2017. Nossos mundos foram abalados. Voamos pelo país, formamos um relacionamento incrível com sua primeira mãe e rezamos para que nossa pequena menina crescesse saudável e forte. Nós passamos seis longas semanas na unidade de terapia intensiva neonatal (UTIN), enquanto nossos dois filhos mais velhos estavam em casa, em outro canto do país. Georgia, nossa filha mais velha, tinha 4 anos e Griffin, nosso único filho, tinha 2. Meu marido ficou em Utah o máximo que pôde, mas acabou voltando para casa para ficar com os pequenos e voltar ao trabalho. Eu voei para lá e para cá algumas vezes e fui abençoada o suficiente po ter minha mãe para ficar com ela por um longo fim de semana. Foram 6 semanas exaustivas entre ver a nossa menina crescer e lutar para finalmente conseguirmos levá-la para casa. Eu estava tão grata pela montanha russa de emoção que estava chegando ao fim… Era o que eu pensava.

Agora estamos presos! Entra Sam, meu amado e solidário marido abraçando nossa recém-nascida do lado de fora do banheiro. Uma linha do exame ficou positivo e um tipo diferente de vômito aconteceu… Acho que xinguei alto o suficiente para Sam me ouvir, porque ele abriu a porta e pediu para olhar para o teste. Ele então começou a ler a caixa dizendo em voz alta: “Não, eu não acho que duas linhas significa positivo”. E me deu outros dois testes, que imediatamente retornaram linhas positivas. Se bem me lembro, tenho certeza de que joguei o último teste nele, histérica. Eu não sabia se ria ou chorava. Então eu fiz as duas coisas. Olhamos um para o outro e depois para nosso pequenino recém-nascido dormindo em seus braços. Ele colocou as mãos em nosso bebê e depois no bebê que crescia dentro de mim. Nós choramos e depois rimos um pouco mais. Aquela “montanha-russa emocional” tinha acabado de tomar uma direita e nós estávamos rastreando um declive.

Pele a pele (Foto: Reprodução)

Me lembro da minha menina recém-nascida dormindo no meu peito, pele a pele, com apenas 7 semanas, enquanto eu sentia enjoo matinal. Lembro de segurar minha barriga, sabendo que um bebê de 7 semanas estava crescendo dentro de mim, enquanto eu segurava um bebê de 7 semanas do lado de fora de mim. Tive momentos de extrema culpa. Eu estava triste por estar tirando o status de “bebê” de Goldie tão rapidamente. Eu estava com o coração partido por meus amigos que experimentam anos de infertilidade e partidas fracassadas por adoção. E pensei: “Por que eu?!” Muitas vezes. Eu me aninhei e amei Goldie todos os dias, e me encharquei nos 9 meses em que ela era a única bebê.

Os quatro filhos (Foto: Reprodução)

Milagrosamente, levei a gravidez até 39 semanas. Nunca tinha carregado um bebê por tanto tempo! Criei um lindo vínculo com Goldie e fiquei com medo de não conseguir me relacionar com o novo bebê com tanta facilidade. Então ela veio, como o lindo raio de sol que ela ainda é hoje, minha Gwyneth Reese. Não estou brincando quando digo que este bebê sorriu pela primeira vez com duas semanas. Levamos Wynnie para casa para sermos recebidos por nossos filhos de 4 anos, 2 anos e 9 meses de idade. Gostaria de poder expressar com precisão como me senti naquele momento – no momento em que vi meus QUATRO bebês juntos. Fiquei sem fôlego.

As 'quase gêmeas' (Foto: Reprodução)

Não posso acreditar que quase perdemos esse milagre verdadeiro e inacreditável. Eu sou tão grata pelos planos de Deus serem tão melhores que os meus. Tudo o que eu tinha ‘temido’ quando grávida, imediatamente desapareceu. Goldie era e ainda é ‘nosso bebê’ da família. Nós realmente nos referimos a ambos como ‘os bebês’. Goldie e Gwyneth têm agora 18 meses e 9 meses. Eles têm o vínculo mais incrivelmente bonito.

Alguns dias são extremamente difíceis, dobram as fraldas, dobram o choro, dobram as mamadas da meia-noite. Eu me lembro especificamente do dia em que meu marido voltou ao trabalho. Podem acreditar que ele me deixou em casa sozinha com os quatro?! Eu me lembro de Gwynnie querer mamar e Goldie estar pronta para um lanche. Eu não tinha ideia do que fazer ou como equilibrar os dois. Amarrei Gwyneth no sling, tirei meu peito e rezei para que meu leite não a afogasse enquanto ela mamava no sling pela primeira vez. Amarrei Goldie no cadeirão, dei a ela um lanche e falhei monumentalmente em fazer as duas coisas. Gwyneth gritou e Goldie só queria a mamãe. Eu me senti o maior fracassada. Tipo, como mães de múltiplos fazem isso? Mas, no dia seguinte, tentei de novo… Foi um pouco mais suave.

Foto para o Natal 2018 (Foto: Reprodução / Instagram)

No final daquela primeira semana sozinha, senti como se pudesse amamentar no sling e distribuir papinhas para uma tribo inteira. Mas no meio desse caos total, me encontrei. Embora possa haver o dobro das fraldas, dobrar o cuspe e dobrar o choro, há também o amor duplicado. A pura alegria e paz que esses bebês me trazem é algo que eu nem consigo colocar em palavras. Eu não posso acreditar que eu já me perguntei, ‘por que eu?’ Porque eu estou absolutamente CERTA de que meu coração foi feito para ser uma mãe para os humanos mais incríveis que eu já conheci, e dois deles simplesmente vieram ‘quase gêmeos’!”

Família reunida, em foto de outubro (Foto: Reprodução / Instagram)