Huck nega que tenha declarado apoio a Bolsonaro em live

26/10/2018 às 09:59.

Apresentador assegurou que não vai expressar voto em nenhum dos candidatos e que fará “resistência positiva”

AgNews

O apresentador de TV Luciano Huck fez um desabafo nesta quinta-feira (25/10) na sua conta no Facebook, ao reclamar que pinçaram trechos de uma live sua feita na rede social e os editaram “fora de contexto”, dando a entender que estaria revelando seu voto. No vídeo, postado no último dia 20, Huck afirmou que não votará no PT. Porém, ao comentar a candidatura de Jair Bolsonaro, ele observou que o presidenciável do PSL tem uma “chance de ressignificar a política”.

Huck, no entanto, rechaçou que tenha declarado preferência por qualquer um dos candidatos. “De novo… trechos de uma live minha no Facebook foram editados fora de contexto. Mais uma vez esclareço: não vou declarar voto em nenhum dos candidatos à Presidência da República neste segundo turno”, escreveu.

Ainda na rede social, o apresentador afirmou que, seja qual for o resultado das urnas, fará uma “resistência positiva”. “Aquela que, partindo da premissa inegociável da manutenção da democracia, das liberdades individuais e da imprensa livre, à constituição e consciente da desigualdade, estará pronta a contribuir com uma agenda de propostas e possíveis soluções para o país”, colocou Luciano Huck.

Críticas a Bolsonaro e ao PT

No último dia 13, Huck já havia criticado Bolsonaro, em artigo escrito na Folha de S.Paulo. O apresentador, que teve seu nome cogitado para concorrer à Presidência da República, ressaltou, no texto, que o capitão da reserva se tornou conhecido por espalhar “ideias retrógradas, sectárias, preconceituosas e belicistas”. “Tudo aquilo que não precisamos na atual conjuntura”, completou.

“Um postulante ao cargo máximo da República definitivamente não pode pensar e muito menos dizer o que ele já disse ao longo dos seus 27 anos de vida pública”, opinou.

No artigo, ele também destacou que não compactua com o modo de pensar e operar dos petistas “Não há outra missão mais relevante do que atacar o enorme abismo social que criamos no país. Mas essa pauta não é nem pode ser monopólio do PT”, escreveu.