Hospital Evangélico em Curitiba mantém atendimento depois de embargo da prefeitura

18/10/2018 às 10:33. Comente esta notícia!

A Sociedade Evangélica Beneficente de Curitiba (SEB) mantém, nesta quinta-feira (18), o atendimento à população mesmo depois da prefeitura determinar o embargo administrativo do Ambulatório 2 por falta do Alvará de Localização e Funcionamento.

No local são atendidas, aproximadamente, 700 pessoas por dia. Na tarde de quarta-feira (17), a SEB recebeu o auto de embargo emitido pela administração municipal.

A decisão de manter as atividades veio depois de uma reunião à noite entre a diretoria, a Secretaria Municipal de Saúde e o Ministério Público do Trabalho (MPT).

De acordo com a prefeitura, o Ambulatório 2 do Evangélico não possui o alvará necessário para desenvolver atividade médica amubulatorial. O processo administrativo foi instaurado em 2016.

Em nota, a Secretaria Municipal de Urbanismo informou que o embargo se trata de determinação prevista na Lei n.º 11095/2004 – Código de Obras e Posturas do Município; e que ele foi feito sem o pedido de interdição.

O administrador judicial do Evangélico, Ladislau Zavadil Neto, disse que a área de engenharia do hospital conseguiu, neste ano, o laudo dos bombeiros e da Vigilância, necessário para o Alvará de Localização e Funcionamento.

“Com isso, tem instrumentos legais para solicitar a regularização de funcionamento. Mas precisa de um prazo”, disse.

O Hospital Evangélico de Curitiba

O Hospital Evangélico de Curitiba é particular e sem fins lucrativos. A instituição atende a 35 mil pessoas por mês – sendo a grande maioria pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS).

Além disso, recebe pouco mais da metade (51%) dos casos de emergência de Curitiba e da Região Metropolitana.

Noventa e cinco porcento dos atendimentos feitos no Evangélico são do SUS. Os outros 5% são referentes a convênios e atendimento particular.

O hospital tem uma dívida de aproximadamente R$ 230 milhões e está sob a intervenção da Justiça do Trabalho desde dezembro de 2014.

Em setembro deste ano, foi arrematado po R$ 215, 05 milhões pelo Instituto Mackenzie. O objetivo do leilão foi justamente para o pagamento da dívida.