Grupo Boticário entra no mercado de maquiagem para cabelo

30/08/2017 às 12:43. Comente esta notícia!
 | Reprodução/Facebook

Foto: Reprodução / Facebook

Impulsionado pela febre dos cabelos coloridos, o Grupo Boticário entrou no mercado de maquiagem para cabelo. A marca quem disse, berenice?, que pertence ao grupo paranaense, lançou nesta terça-feira (29) uma linha com 18 produtos que vão desde modeladores a tonalizantes para colorir o cabelo. É a primeira vez que a marca e o grupo se aventuram no universo das tinturas para cabelo.

A quem disse, berenice? foi lançada em 2012 pelo Grupo Boticário, em um movimento da companhia paranaense para ampliar o seu leque de atuação. A empresa lançou a nova marca para entrar no mercado de maquiagens para o público jovem. A proposta foi apostar em maquiagens coloridas e divertidas, diferente do O Boticário, que segue uma linha mais tradicional de produtos para beleza.

A estratégia de focar no público jovem surtiu o efeito esperado e, nos últimos cinco anos, o Grupo Boticário investiu na expansão geográfica da marca. A quem disse, berenice? chegou neste ano a 220 lojas e, no fim do ano passado, deu início ao seu processo de internacionalização ao abrir as primeiras lojas em Portugal, país onde já há unidades do O Boticário. Atualmente, são cinco lojas da berenice em Portugal.

Agora, em 2017, a marca que estava restrita a maquiagens, esmaltes e alguns acessórios e produtos para cabelo aposta também na linha de coloração. A empresa lançou uma linha de 18 produtos que incluem os chamados “giz para cabelos”, ou seja, tonalizantes que duram até a lavagem.

A proposta é oferecer aos consumidores uma oportundiade de deixar seu cabelo colorido – as cores disponíveis são azul, rosa, roxo e vermelho  – sem necessariamente tingir ou aplicar o clássico “papel crepom”. O giz, como é chamado o pó tonalizante, fixa no cabelo até a lavagem. Ele também pode ser usado para esconder os cabelos brancos rapidamente.

A empresa foi questionada sobre os investimentos feitos para lançar a nova linha produtos, assim como o tempo de pesquisa, matéria-prima utilizada e o local de fabricação, mas não deu nenhum retorno à reportagem.