Governo vai adotar ‘drogômetro’ que detecta maconha, ecstasy e outras drogas no trânsito

Jair Bolsonaro (PSL) vai apertar a fiscalização aos motoristas que dirigem sob efeito de substâncias psicoativas. O presidente estuda a aplicação do “drogômetro”, dispositivo capaz de identificar a presença de maconha, cocaína, ecstasy e outros entorpecentes.

A Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (Senad), ligada ao Ministério da Justiça (comandado por Sérgio Moro) e Segurança Pública, confirmou a análise de quatro equipamentos. Fontes ligadas ao governo explicam que a implementação do “drogômetro” é uma prioridades para a redução do número de acidentes e mortes no trânsito.

“Já temos bafômetros para álcool, mas para outras drogas não há equipamentos de detecção. Estamos fazendo estudos para viabilizar esse avanço” – informou ao jornal O Globo Luiz Beggiora, responsável pelo Senad.

O governo busca equipamentos que possam detectar até oito tipos de drogas por meio da saliva do condutor. Anfetaminas, metanfetaminas, opiáceos, são algumas delas. O Hospital de Clínicas de Porto Alegre realizou um projeto-piloto com cerca de 164 motoristas.

 Por volta de 20,1% apresentaram resultados positivos para pelo menos uma droga, que não o álcool. Por serem mais populares, maconha e cocaína passaram por testes avançados. Os resultados foram divergentes.

A detecção de cocaína esteve “dentro dos parâmetros recomendados internacionalmente”. A análise da maconha registrou apenas um equipamento com todos os critérios atendidos. Os responsáveis pelo estudo justificam que é preciso mais pesquisas, incluindo análises laboratoriais, para alcançar o modelo ideal.

Ainda não há previsão de quando o “drogômetro” entra em circulação nem os custos para a operação. O governo estuda o uso do orçamento federal para cobrir os gastos.

O Código Brasileiro de Trânsito já prevê infrações para quem “dirigir sob a influência de álcool ou qualquer substância psicoativa”.

 

 

Fonte:  Hypeness