Frio e chuva são previstos até final de outubro

16/10/2018 às 08:29.

Tá chovendo aí? Caso ainda não esteja, avisamos de antemão: é melhor se preparar já que, segundo o Sistema Meteorológico do Paraná (Simepar), a tendência é de que o tempo permaneça desse mesmo jeitinho que temos visto há pelo menos duas semanas. Chuvoso, friozinho, fechado e carrancudo. Para quem tinha expectativa de um início de primavera regado a banhos de sol, a notícia é de que, pelo menos até o fim do mês de outubro os dias sigam nublados e “fresquinhos”. Nada fora do comum, segundo o instituto.

Foto: Pixabay

Umidade, ventos e frentes frias. Segundo o meteorologista Fernando Mendes, esses são os três principais itens que têm influenciado a manutenção do tempo chuvoso no Paraná. De acordo com o especialista, o deslocamento de frentes vindas das extremidades mais ao sul do globo, é comum nesse período do ano. “Muita gente acha que o grande volume de chuvas nessa época não é normal. Ressaltamos, porém que – para a estação – o nível de chuvas tende mesmo a aumentar por conta do próprio comportamento atmosférico da região, favorável ao deslocamento das frentes”, explica.

Segundo o meteorologista, o Paraná deverá ainda ser palco de dias úmidos e fechados até o início de novembro. “Nesse período veremos frentes frias mais intensas e outras mais amenas. Algumas podem trazer períodos de chuvas de até 5 dias seguidos”, ressalta. Fernando explica que, no estado, o mês de outubro costuma registrar um acúmulo médio de 150 milímetros de chuva anualmente.

Esse ano, segundo o especialista, a marca já chega aos 138 nas primeiras semanas da estação, o que pode indicar que – até o fim do mês – o registro pluviométrico poderá ser maior quando comparado aos últimos anos. Para quem espera pelos dias quentes, o conselho é ter mais paciência, já que as temperaturas também deverão se manter como nos últimos dias (entre 14 e 21°), com variações perceptíveis mais significativamente apenas nas regiões Norte e Oeste do Paraná.

Sobre a expectativa para o verão, o instituto ainda não arrisca projeções. Para mais ou para menos, até lá, o que vale é a boa e velha dica: sombrinha e casaco extra sempre à mão. Pelo menos até segundo aviso.