Filha aceita gerar o próprio irmão para realizar o sonho da mãe

22/01/2019 às 21:12.

Foto: Arquivo Pessoal / RPA.

 

A Andreia Carrasco, 43 anos, é mãe de Jessica, 21 anos, sua primeira filha. Ela tentou engravidar novamente, mas não conseguiu por causa da falência ovariana precoce ou menopausa precoce, aos 33 anos. Foi então que cogitou a fertilização in vitro com óvulos doados. Porém, seu ex-marido não entendia nem aceitava o procedimento. Depois de alguns anos, Andreia se separou e casou novamente, com Rogério Marins, 46 anos, que tinha o sonho de ser pai.

Para conseguir engravidar, Andreia procurou uma clínica de reprodução humana, fez tratamento com hormônios e outros medicamentos, mas não conseguiu engravidar, pois seus ovários, útero e endométrio continuavam atróficos.

O médico disse para Andreia que ela só poderia realizar o seu sonho e de Rogerio através de uma “barriga solidária” ou útero de substituição. Jessica acompanhou a mãe em todas as etapas do tratamento. Vendo o sofrimento de Andreia, Jessica topou na hora emprestar sua barriga para gerar o embrião.

 

Foto: Arquivo Pessoal / RPA.

 

Em novembro do ano passado, foram transferidos dois embriões no útero de Jessica (o sêmen é de Rogério e o óvulo de uma doadora anônima). A jovem fez o teste de gravidez alguns dias depois e deu positivo.

 “Eu vi o sofrimento dela. A cada consulta, ela saía mais frustrada. Vi ali a oportunidade de provar o meu amor. Decidi gerar o bebê dela para realizar o nosso sonho, o meu de ter um irmão e o deles de ter um filho”, disse Jessica, em conversa com o Razões para Acreditar. E assim vai nascer uma nova família em Mauá, São Paulo.

Foto: Arquivo Pessoal / RPA.

 

“Quero que as pessoas saibam da nossa história, porque sei que muitas mulheres estão passando por dificuldades para engravidar, e muitas desconhecem o procedimento de útero de substituição [barriga solidária]”, explica Andreia.

 

Leia a matéria completa:  Razões para Acreditar.