Ao Vivo

Famosos que são casados, mas vivem em casas separadas: é bom para a relação?

13/05/2017 às 15:36.

Você conseguiria casar e continuar morando longe do seu parceiro ou parceira? Essa foi a escolha de Isabeli Fontana e Di Ferrero, que se casaram no dia 9 de agosto nas Maldivas. Para a cerimônia, a Isabeli escolheu um vestido que deixou sutiã e hot pants à mostra.

Famosos que moram separados mesmo casados

Celebrando o Amô , Dia abençoado , Vibe incrível e casei !! #sonevafushi

A post shared by Diego J Ferrero (@diferrero) on

Em entrevista à revista Marie Claire, a modelo disse que ela e o marido vão continuar morando em casas separadas para que cada um tenha o seu espaço.

“Vamos continuar assim: ele com a dele e eu com a minha. Acho importante cada um ter seu espaço para não cair na rotina, e também porque meus filhos [de outro relacionamento] precisam ter uma base, sentir que o lar é deles”, revelou a recém-casada

Eles, porém, não são o único casal famoso que optou pelo estilo alternativo de relacionamento. A ex-nadadora Rebeca Gusmão e o empresário André Luiz se consideram casados e, inclusive, acabaram de ter o primeiro filho juntos, Zeus, de 1 mês. Contudo, o casal vive em casas separadas e pretende continuar desta forma.

Rebeca acredita que morar separado ajuda a relação a dar certo e contribui para que um sinta saudade do outro sempre.

Mesmo quando estava grávida, a ex-atleta não morava com o companheiro, mas, segundo revelou, isso não interferia na proximidade ou intimidade do casal. Graças às visitas frequentes um à casa do outro e com o aumento da libido típico da gravidez, eles chegavam a transar 15 vezes por semana na época.

Relação mais feliz

A psicóloga, coach de relacionamento e fundadora da escola de relacionamentos Viviane Guimarães afirma que o modelo tem acontecido bem mais do que antigamente e que muitos casais estão encontrado equilíbrio no relacionamento desta forma.

“Tem sido cada vez mais comum os casais não dormirem no mesmo quarto, não dividirem o mesmo banheiro e alguns até moram em casas separadas. Se o relacionamento está dando certo deste jeito, não tem que existir a obrigação de morar junto. Cada casal encontra o equilíbrio de uma forma”, comenta a psicóloga.

A palavra de ordem deve ser equilíbrio para o casal conseguir balancear bem os momentos a sós com momentos de cada um com outras pessoas. Desta forma, as pessoas não ficam individualistas nem sufocantes; é uma das fórmulas de um relacionamento saudável.

“Tem casais que gostam de ficar mais tempo juntos e dão certo assim, tem outros que se veem algumas vezes por semana e tudo bem também, cada um equilibra de um jeito. O importante é achar o que é melhor para vocês sem esquecer que a individualidade de cada um precisa ser respeitada”.

Espaço no relacionamento

😍 Através dos seus olhos posso ver todas as respostas!!! 😍 Through your eyes I can see all the answers!!! @diferrero

A post shared by Isabeli Fontana ♋️ (@isabelifontana) on

De acordo com Viviane, o espaço citado por Isabeli é algo fundamental em todos os relacionamentos. “Sempre tem que existir três espaços: o da mulher, o do homem e o espaço do casal. Cada um tem que ter o seu espaço para ter individualidade, mas também tem que existir o espaço do casal que é a base de um relacionamento”, ressalta a coach.

Ao falar sobre espaço, Viviane não se refere ao espaço físico, mas ao espaço psicológico. Portanto, mesmo morando em casas separadas, é possível existir o espaço do casal.

“Morar em casa separada não significa que o casal vai se distanciar, isso pode acontecer, claro, mas já atendi casais que moram juntos e há anos nem sequer se cumprimentam, por isso que o espaço comum aos dois não pode deixar de existir nunca”, reafirma a especialista em casais.

Individualidade no casamento

Ao falar sobre individualidade, a psicóloga ressalta a importância de saber respeitar o espaço de cada um no relacionamento. “Conheço pessoas que não deixam o outro trancar a porta do banheiro, vasculham bolsa, celular, isso é um grande erro. Deve existir liberdade e respeito. Fazer isso é se achar dono do outro”, comenta.

“Ficamos presos em exigências culturais, sociais e, às vezes, a gente tem possibilidades melhores de fazer as coisas darem certo, mas não fazemos preocupados com o que os outros vão falar”, conclui a especialista.

Via:http://www.vix.com