Ao Vivo

Estudantes marcam protesto após denúncia de estupro em universidade de Curitiba

08/05/2017 às 07:54.
(foto: Reprodução)

A denúncia de um estupro dentro do campus Ecoville da Universidade Positivo, no bairro Campo Comprido, em Curitiba, mobiliza alunos da instituição. O caso já está sendo investigado pela Delegacia da Mulher e os estudantes marcaram um protesto para a próxima terça-feira (9), às 19 horas, na ponte do Lago dentro do Campus, onde a estudante, de 19 anos, teria sido abordada por dois homens. O protesto é chamado de “Estupro não é nada Positivo”. A instituição enviou nota afirmando que está colaborando com a investigação e que criou uma comissão para estudar melhorias na segurança do local (veja nota completa logo abaixo).

Segundo denúncia da estudante, o estupro aconteceu no dia 18 de abril, quando os dois homens imobilizaram a jovem e usaram um pano para evitar que ela gritasse. Ela foi abordada quando seguia para um palestra na ponte e levada a um local escuro.

Veja a nota da Universidade Positivo, na íntegra:

“No dia 3 de maio, a Universidade Positivo recebeu um relato de uma aluna, referente a uma ocorrência que teria acontecido em 18 de abril. Orientada pela UP, a estudante procurou a polícia e os eventos narrados estão sendo apurados pelos órgãos competentes, com colaboração da instituição.

O momento é de investigação policial, no qual é importante evitar boatos, especulações e qualquer atitude que atrapalhe o trabalho dos órgãos competentes. A UP está colaborando ao máximo com as autoridades para o esclarecimento dos fatos, assim como prioriza o acolhimento e o atendimento à aluna e sua família neste momento difícil.

A Universidade Positivo informa ainda que criou um comitê para estudar possibilidades de melhoria em toda a estrutura de segurança, do qual participarão especialistas e representantes de alunos e funcionários da instituição. As portas e os canais estão abertos para acolhimento e pleno apoio aos alunos e às famílias, tanto via nossos professores e coordenadores como pela ouvidoria da instituição”.

Via: Bem Paraná