Esse idoso mantém ‘vila para cachorros’ e gasta toda a sua renda para dar conforto para os bichinhos

21/06/2017 às 08:42.

Essa notícia vai te fazer voltar a acreditar na humanidade! 🙂

Existe muita gente que ama cachorros e gatos, mas a paixão de seu Antônio de Barros por animais é tanta que ele construiu um vilarejo somente para os bichinhos abandonados, em Mogi das Cruzes, São Paulo.

A vila existe há cinco anos e conta com 130 cachorros, 13 gatos e mais um cão cego, com direito a espaço adaptado no local. O espaço já chegou a ter 173 cachorros. Com uma ação em parceria com a equipe de Zoonose da cidade, a maioria dos cachorros são castrados.

A ideia de construir o espaço surgiu quando seu Antônio encontrou uma cadela que havia sido atropelada. Ele cuidou dela e conseguiu com que uma veterinária parcelasse a cirurgia para a cachorra. Quando ele a viu saudável e alegre, se sentiu muito feliz, e a partir daí não conseguiu encontrar um animal abandonado e ficar indiferente.

Há também a história de uma pastora alemã que foi abandonada na porta do sítio de Antônio, simplesmente porque estava velha. Crueldade, né?
Mas seu Antônio cuidou dela também!
O aposentado também fez algumas “casas próprias” para os cachorros abandonados que sofrem com problemas de saúde mais graves. É o caso de um poodle cego, que ganhou uma casa adaptada. Ela possui um corrimão na parede, onde o poodle fica amarrado. Em uma ponta fica a cama e na na outra a comida, o que ajuda o cachorro a se direcionar.
 No total são sete “casas próprias”, cada uma com uma história comovente.
O cuidado com os animais é tão grande que depois das 18h, seu Antônio passa de casinha em casinha para acender as luzes.

A sua casa é simples, com menos de 120m², e o resto do espaço foi destinado aos animais. Ele construiu um muro que cerca o terreno, e seis canis com telhados, portões e energia elétrica. Através de doações, ele conseguiu construir mais quatro canis grandes. Neles vivem os cachorros separados por grupos de afinidade e um espaço só para gatos, onde o local é envolto em uma tela, para que os felinos não fujam.

Eles vivem separados nos dez canis: só fêmeas, só os mais velhos que já se conhecem faz tempo, só os mais novos.

Os animais consomem 50 quilos de ração e 500 litros de água por dia, e  3 litros de desinfetante são usados diariamente para limpar os canis.

Com 60 anos, ele recebe R$1.100,00 de aposentadoria, e além dela, o único meio para manter seus fiéis amigos é através de doações. O amor pelos animais também se estende pela família de seu Antônio, onde sua esposa, sua filha, seu genro e a sua neta também colaboram com o  espaço e com os cuidados com os animais que estão para adoção.

“Quando recebo doações de ração, produtos de limpeza e remédios, consigo usar esse dinheiro em outras coisas da casa. Mas para ser bem sincero, faz tempo que não compro nada para família. Não dá para deixar faltar alimento para os cachorros, eles dependem de mim. Enquanto, eu tiver força, vou me dedicar à eles”, contou.

Todos os cachorros estão disponíveis para adoção. O idoso também conta com voluntários para ajudar a limpar os canis. “Eu não enxergo mais 100%, vou fazer uma cirurgia de catarata. Por isso, aceito ajuda de voluntários que quiserem me ajudar a limpar os canis. Minha casa está sempre aberta para quem quiser conhecer ou visitar”, disse o aposentado.

Via

Fotos: Jamile Santana/ G1

Via: Razões Para Acreditar