“Escola mandou uma sacola com fezes pendurada na mochila do meu filho”, diz mãe

29/04/2019 às 08:17.

Caso aconteceu no Centro Municipal de Educação Infantil Mário Ribeiro, localizado no bairro Cidade Industrial, em Montes Claros (MG)

Vídeo mostra fezes em sacola, amarradas na mochila da criança (Foto: Reprodução Youtube)

Uma criança chamada Miguel, 3, chegou em casa ontem (24) após o período escolar com uma sacolinha com fezes amarrada na mochila. A mãe, Stefane Leite da Silva, publicou no Facebook o vídeo do ocorrido, juntamente com sua indignação. Segundo ela, a responsável seria uma funcionária do Centro Municipal de Educação Infantil Mário Ribeiro, localizado no bairro Cidade Industrial, em Montes Claros, norte de Minas Gerais.

“Ela mandou o cocô pendurado na bolsa. A criança pega ônibus, com mais de 30 alunos, para vir embora. E passou por esse constrangimento. Desceu chorando porque a irresponsável da professora, não sei se foi professora, se foi monitora, não sei quem foi, mas ela teve a cara de pau de me atender e falar comigo que tinha sido ela que mandou”, conta Stefane.

Um boletim de ocorrência foi registrado junto à Polícia Militar (PM) do bairro onde Stefane mora. Em entrevista à CRESCER, a mãe disse que “Os policiais que fizeram o boletim me encaminharam para uma outra delegacia. Ao chegar lá, os policiais da unidade me informaram que demoraria de dois a três  dias para cair [o boletim] no sistema da delegada. E só depois disso eles fariam corpo de delito para validar as manchas roxas que meu filho tinha nas costas. Fui instruída a guardar as fotos que eu já tinha, pois, segundo eles, elas serviriam também. Mas o corpo de delito mesmo ainda não pode ser feito”, conta a mãe.

Uma nova postagem feita nessa quinta-feira (35) mostra a mãe num vídeo falando sobre o caso. Segundo ela, depois de conversar com a direção da escola, a auxiliar responsável pelo feito foi afastada das funções. Ela teria confessado que realmente mandou as fezes na sacolinha. Stefane fala também sobre algumas manchas pelo corpo da criança: “Não posso afirmar que ela bateu, pode ter sido queda ou alguma coisa do tipo. Na próxima semana meu filho voltará para a aula”. A criança deve passar agora por exame de corpo de delito.

Stefane disse que o filho gosta muito da professora e que o problema foi com a auxiliar. Questionada se o menino já havia passado por alguma situação semelhante, Stefane disse que não. “O que já aconteceu foi de ele voltar várias vezes arranhado. Eu já até liguei na escola uma vez. Na segunda vez eu mandei um bilhete. E no dia seguinte ele voltou com as costinhas roxas e o cocô amarrado na sacolinha”, disse. Segundo ela, o menino não toca mais no assunto. “Ele é muito novinho, já não fala mais sobre isso. Mas eu tenho um pouco de receio de voltar a deixa-lo na escola”, diz.

O que diz a Secretaria de Educação de Montes Claros

A Secretaria de Educação de Montes Claros esclarece que, ao final do turno escolar, a criança em questão fez suas necessidades fisiológicas na própria roupa. Devido ao avançado da hora, e para que o aluno não perdesse o transporte escolar, a auxiliar fez a higiene da criança, deu banho e colocou sua cuequinha, ainda suja, em uma sacola, e a amarrou na mochila, já que era o que poderia ser feito naquele momento.

A Secretaria acrescenta que a diretora do educandário já se reuniu com a mãe da criança e prestou, pessoalmente, as explicações sobre o ocorrido. Também destaca que a auxiliar em questão foi temporariamente afastada de suas funções, enquanto a Secretaria realiza sindicância interna para averiguar totalmente o fato.

CRESCER entrou em contato com Stefane, mas até o momento da publicação não obteve retorno. A matéria poderá ser atualizada a qualquer momento.

Veja abaixo o vídeo. Se não conseguir visualizar, clique aqui.