Ao Vivo

Empresário Beto Madalosso vai descumprir bandeira vermelha em Curitiba e intima prefeito: “Venha aqui, Rafinha”

31/05/2021 às 08:16.

Postagem feita pelo empresário Beto Madalosso, no domingo (30) de bandeira vermelha. Foto: Reprodução/Instagram

“Venha, fiscalização. Venha AIFU. Tragam o prefeito. Quero falar com ele pessoalmente”. “Venha aqui, Rafinha. Te pago um café”, ironizou o empresário. Estes são trechos de uma postagem nas redes sociais do empresário Beto Madalosso, do Carlo Ristorante, afirmando que vai abrir o seu restaurante e descumprir o novo decreto da bandeira vermelha da prefeitura de Curitiba, que está em vigor desde o sábado (29) até, pelo menos, o próximo dia 9 de junho. Para tentar conter o contágio da covid-19 na capital, uma das medidas é proibir o funcionamento de bares, restaurantes e lanchonetes para consumo no local. Somente o delivery e take-away estão permitidos, em horários fixos. 

A postagem de Madalosso, feita no Instagram, atraiu comentários de outros chefs, também no clima de indignação. Dudu Sperandio, por exemplo, do Ernesto Ristorante, disse que já estava descumprindo o decreto faz tempo, afirmando que nunca fechou. “Você algum dia fechou? Nós também estamos abertos, melhor nunca fechamos, pena que demorou tanto para você se revoltar!”, postou.

Até por volta das 12h30, a postagem tinha cerca de 5,5 mil impressões, entre curtidas e outros posicionamentos. Por volta das 13h, a postagem já não estava mais no ar.

O post de Madalosso, feito em formato de cards e com várias imagens, ainda criticou a lotação nos ônibus do transporte coletivo de Curitiba, a desativação de leitos de UTI para a covid-19 e o evento de inauguração do Memorial Paranista, no São Lourenço, onde a prefeitura promoveu aglomeração. Os presentes neste evento não mantiveram o distanciamento social, incluindo o prefeito Rafael Greca (DEM), que distribuiu abraços e beijos, como mostra o vídeo da reportagem da Tribuna.

Até a vereadora do PT, Carol Dartora, deixou um comentário no post com um emoji em forma de fogo. Já a Janaína dos Santos, empresária do ramo dona do Cosmo Gastrobar, foi contra o posicionamento de Madalosso e o criticou nas redes. “Esse é o cara que Curitiba paga pau. Parabéns”, postou.

Questionada, a prefeitura não divulgou nenhuma informação sobre uma possível fiscalização no Carlo Ristorante.

A decisão da bandeira vermelha, na sexta-feira, foi repleta de polêmica, tanto que a secretária de saúde Márcia Huçulak chegou a dizer que não aguentava mais a pressão da pandemia e que “queria estar muito longe daqui. Segundo ela, porém, a situação dos hospitais na cidade, bem como o aumento dos casos ativos, exigiu uma medida mais forte da administração municipal a fim de evitar o caos na saúde pública.

“Humilhação no período da pandemia”, diz Abrabar

Em nota, a Associação Brasileira de Bares e Casas Noturnas (Abrabar) disse que o protesto do empresário abriu a discussão da “seletividade de quem pode trabalhar na Cidade em tempos de Lockdown”. A Abrabar disse que o setor passa por humilhação no período da pandemia e o que o “essencial [da postagem] foi abrir o Debate ao Direito de Resistência do Cidadão”.

A nota também menciona a lotação do transporte público de Curitiba, diz que há privilégio para algumas atividades econômicas e cita o evento no Parque São Lourenço.

Leia a nota da Abrabar na íntregra

“Protesto de Marketing do Beto deu certo, abriu a discussão da seletividade de quem pode trabalhar na Cidade em tempos de Lockdown.

Principalmente demonstrou a toda sociedade a humilhação que nosso setor está atravessando neste período de pandemia.

Escancarou a subserviência ao Transporte Público, através do pedido de liminar para não impedir suas restrições, sem falar o privilégio de algumas atividades econômicas.

O essencial foi abrir o Debate ao Direito de Resistência do Cidadão.

E passo foi identificar principalmente através dos bordões na boca da sociedade pelos maus exemplos da Prefeitura, recentemente com sua festa no Parque São Lourenço.

O primeiro deles: Faça o que digo, mas não faça o que eu faço. E outro famoso Bordão em Curitiba “Dois pesos e duas Medidas”.

Abrasel

A Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) também se posicionou sobre a postagem, escrevendo que “A Abrasel não pode conclamar à desobediência, mas pode e deve apoiar decisões individuais livres que busquem resistir ao arbítrio, à injustiça. Há Brasil, abrasel. União que transforma”.

Via: Tribuna Do Paraná