Em mercado de Curitiba consumidora enche o carrinho de produtos vencidos, troca e leva tudo de graça

16/01/2019 às 13:59.

Produtos em promoção com a data de validade vencida estavam expostos para venda na unidade da rede de supermercados Mercadorama da Rua 24 de Maio, em Curitiba, no bairro Rebouças.

O alerta foi feito à redação do jornal Tribuna na manhã da última segunda-feira (14), pela diarista Eumari Araújo, 48 anos, que encontrou de fraldas a alimentos perecíveis sem validade pelas prateleiras do estabelecimento. Ao constatar a prática irregular, a consumidora colocou os produtos no carrinho de compras e, na boca do caixa, exigiu levar os itens de graça.

O Departamento Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-PR) diz que ela agiu corretamente, com base em um acordo entre o Ministério Público do Paraná (MP) e a Associação Paranaense de Supermercados (Apras), que dá ao consumidor o direito de levar sem pagar os itens de compra que estiverem com a validade vencida.

A Eumari Araújo, que esteve no supermercado na segunda-feira por volta das 11h, disse que encontrou 14 pacotes de fraldas vencidos, além de iogurtes, caixas de almondegas congeladas, xampus e condicionador. Ela levou de graça três pacotes de fraldas, duas caixas de almondegas, dois packs de iogurte, um xampu e um condicionador. “Pior é que as fraldas estavam em promoção. Não é a primeira vez que isso acontece comigo neste mesmo supermercado. Acho que eles têm que respeitar a gente e não fazer esse tipo de coisa”, reclamou.

A diarista ficou quase uma hora dentro do Mercadorama para receber a confirmação da gerência de que poderia levar produtos de graça, para compensar a falha do estabelecimento. “Eles tentaram se fazer de desentendidos, dizendo que eu não teria direito a levar nenhum produto, mas eu conheço os meus direitos. Fotografei tudo e insisti. Demorou, mas meu direito foi respeitado”, contou.

Procurada, a assessoria do Mercadorama (que pertence ao grupo Walmart) ainda não havia se manifestado sobre o assunto até o fechamento da matéria.

 

Foto: Gerson Klaina / Tribuna.

 

TÁ NA LEI!

Doméstica Eumari Araújo encheu o carrinho só com coisas fora da validade. Foto: Eumari Araújo/Arquivo Pessoal.

 

Em 2013, um acordo entre a Apras e o Procon-PR promoveu uma campanha “De Olho na Validade”, para que o consumidor tivesse direito a receber produtos de graça em estabelecimentos comerciais, caso os encontrasse com data de validade vencida. A cada produto encontrado, a pessoa podia levar um de graça. No entanto, o acordo foi paralisado em dezembro de 2015, porque o consumidor acabava ficando satisfeito com a troca e não denunciava o estabelecimento.

“De certa forma, isso evitava que o consumidor comprasse mercadorias vencidas, mas dificultava a fiscalização dos locais, para impedir que esse tipo de mercadoria fosse colocada para vender”, aponta Claudia Silvano, diretora-geral do Procon-PR. Para ela, isso acabava distorcendo a ideia inicial do acordo. “O objetivo era construir no consumidor o hábito de olhar a validade dos produtos. Com perecíveis ele faz isso, mas em alimentos, como feijão ou macarrão, dificilmente a pessoa olha a data. Queríamos que esse comportamento mudasse, mas a campanha acabou tomando uma vertente diferente do que se pensava, por isso a interrompemos”, explicou.

Ocorre que em maio de 2018, a Campanha “De Olho na Validade” foi retomada pelo Ministério Público do Paraná (MP) e pela Apras. Desde então, o consumidor que encontrar de um a dez produtos vencidos na loja receberá um produto de graça após comunicar o gerente. É uma compensação de cerca de 10% pela falha do estabelecimento, ou seja, se forem encontrados de 11 a 20 produtos, o consumidor leva dois produtos de graça. Segundo o site da Apras, o produto entregue como gratificação deverá ser de valor igual ao encontrado vencido. Caso seja escolhido um produto de valor superior, será cobrada a diferença. E o consumidor não poderá receber crédito (dinheiro) referente ao produto vencido.

 

Leia a matéria completa: Tribuna.