Duzentas pessoas estão desaparecidas após rompimento de barragem em Brumadinho, dizem bombeiros

 

O corpo de Bombeiros de Minas Gerais confirmou, na tarde desta sexta-feira, o desaparecimento de 200 pessoas, em decorrência do rompimento da barragem em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Segundo a corporação, o comando de operações foi montado no Centro Social do Córrego do Feijão, nas proximidades do campo de futebol e da igreja católica do município. O campo está sendo utilizado como área de avaliação e triagem de vítimas para atendimento médico.

A operação conta com 51 bombeiros militares e seis aeronaves. Às 15h50 o rejeito atingiu o Rio Paraopeba.

Mais cedo, a Vale já havia informado, em nota, que os rejeitos atingiram a área administrativa da companhia e parte da comunidade da Vila Ferteco e que havia empregados da mineradora no momento do rompimento.

“Havia empregados na área administrativa, que foi atingida pelos rejeitos, indicando a possibilidade, ainda não confirmada, de vítimas. Parte da comunidade da Vila Ferteco também foi atingida”, afirmou a companhia em comunicado à imprensa.

Feridos são levados para hospital em BH

O Hospital João XXIII, em Belo Horizonte acionou o plano de emergência para atendimento de vítimas em situação de catástrofe após o rompimento de uma barragem de rejeitos da Vale nesta sexta-feira em Brumadinho, na Região Metrolitana da capital mineira.

Segundo a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES), até o momento, duas mulheres deram entrada no João XXIII. Elas foram socorridas de helicóptero e estão sendo avaliadas e passando por exames. Seus estados de saúde estão estáveis.

O plano de emergência para catástrofe da unidade significa que praticamente toda a atividade de emergência do hospital ficará voltada para o atendimento às vítimas do rompimento. Com isso, a sala de trauma deverá ter seus leitos disponíveis para elas. Os pacientes estáveis que estiverem no local serão transferidos para outros espaços.

 

 

Fonte:  Extra