Doria envia à Justiça Eleitoral pedido de investigação sobre autoria de vídeo íntimo e laudo contesta veracidade

25/10/2018 às 10:18. Comente esta notícia!

A campanha do candidato João Doria (PSDB) disse nesta quarta-feira (24) que entrou com um pedido de investigação junto à Justiça Eleitoral para apuração da autoria do crime praticado contra ele em razão da divulgação nas redes sociais de vídeo íntimo de um homem reunido com seis mulheres que seria atribuido a ele. Segundo a campanha de Doria, peritos criminais contratados pelo candidato constataram que o vídeo é falso.

“O conteúdo tem montagens que ficam claras quando analisadas tecnicamente, para fazer que figura retratada na cena se pareça com Doria”, diz a nota da campanha do candidato.

“A representação contém laudo dos peritos criminais Rosa Maria Coronato Melkan, professora da Academia de Polícia Civil do Estado de São Paulo, e Marcos Olyntho Brandão Godoy, ex-diretor do Núcleo de Engenharia do Instituto de Criminalística de São Paulo. O parecer atesta a falsidade do vídeo veiculado terça-feira em redes sociais com objetivo de difamar o candidato João Doria, com claro objetivo de influenciar o resultado das eleições para governador de São Paulo.”

Segundo o laudo, “a peça apresenta características de ser produto de montagem ou de simulação, mediante utilização de aplicativos disponíveis no mercado”.

O laudo ainda destaca as seguintes divergências:

  • Formato dos dentes
  • Corte de cabelo, notadamente na costeleta
  • Antagonismo na forma física
  • Ausência de pelos no tórax
  • Ausência de corrente/cordão no pescoço
Laudo de perito criminal destaca divergências no vídeo atribuído a Doria — Foto: TV Globo/Reprodução

Laudo de perito criminal destaca divergências no vídeo atribuído a Doria — Foto: TV Globo/Reprodução

Propaganda suspensa

Ainda nesta quarta-feira, a Justiça Eleitoral deferiu liminar suspendendo inserções televisivas do candidato João Doria. De acordo com a representação, Doria teria atribuído à campanha de Márcio França a divulgação, por WhatsApp, do vídeo íntimo.

Segundo o juiz auxiliar da propaganda eleitoral, desembargador Paulo Galizia, “o texto do pronunciamento de Doria deixa claro que ele busca atribuir a Márcio França a responsabilidade pelo ocorrido. Ora, a acusação está desprovida de qualquer elemento de prova que possa corroborá-la”.

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Resposta ao ataque absurdo!

Uma publicação compartilhada por João Doria (@jdoriajr) em

O vídeo passou a circular nas redes sociais nesta terça-feira (23). No mesmo dia, Doria gravou um vídeo ao lado da mulher, Bia Doria, rechaçando veementemente o vídeo compartilhado. “Estou casado com a Bia há 26 anos, tenho três filhos que amo muito, respeito a minha família. Hoje eu vi um vídeo vergonhoso nas redes sociais, produzido por alguém que só quer o meu mal, o mal da minha família. Uma produção grotesca, fake news”, declara no vídeo.

O candidato Márcio França, do PSB, se manifestou sobre o vídeo, Primeiro ele comentou nas redes sociais as acusações que teriam sido feitas sobre ele em relação ao vídeo, pela campanha de Doria. No entanto, a campanha de Doria negou ter feito acusações contra França.

Depois, o candidato do PSB voltou a comentar o vídeo. “Eu não tenho nada a ver com isso, eu repudio qualquer coisa de utilização pessoal em campanha eleitoral. […] Alguém havia dito, da assessoria dele, que isso tinha partido de mim. Por isso eu fiz uma resposta que eu achei que foi solidária, dizendo que eu sou contra a divulgação de vídeo desse jeito pra qualquer um, não é pra ele, é pra qualquer um”, disse França.