Dois meses após saída de cubanos do Mais Médicos, cidades do Paraná ainda esperam profissionais

14/02/2019 às 17:23.

Prefeitura de Candói estima que 5 mil pessoas foram prejudicadas pela falta de profissionais do programa Mais Médicos. — Foto: Divulgação/Prefeitura de Candói

 

Há mais de dois meses sem preencher qualquer uma das vagas deixadas após a saída dos profissionais cubanos do programa Mais Médicos, nove cidades do Paraná aguardam que algum médico se apresente para trabalhar.

No dia 14 de novembro, o governo de Cuba decidiu deixar o programa, e desde então nenhum médico se apresentou para trabalhar pelo programa em Laranjal, Cantagalo, General Carneiro, Inácio Martins, Prudentópolis, Cruzeiro do Iguaçu, Santa Mariana, Candói e Boa Esperança do Iguaçu.

De acordo com o primeiro edital do Ministério da Saúde, as primeiras apresentações de médicos nos municípios estavam marcadas para o dia 3 de dezembro de 2018.

Nesta quarta-feira (13), a terceira fase de inscrições foi aberta, desta vez para médicos brasileiros formados fora do país. De acordo com o Ministério da Saúde, todas as vagas remanescentes foram preenchidas em 40 minutos.

No entanto, nas duas fases anteriores, em dezembro de 2018, profissionais brasileiros formados no país chegaram a se inscrever em todas as vagas do estado, mas não compareceram nas cidades para ocupar as vagas, mesmo com prorrogação no prazo para apresentação.

Por enquanto há 37 inscrições pendentes no Paraná e 1.397 em todo o Brasil. De acordo com o ministério, há 3.828 médicos cadastrados no sistema do programa aptos a se candidatarem para as vagas.

‘Médicos não apareceram’

“Por duas vezes tivemos médicos inscritos, e nas duas vezes eles não apareceram. Enquanto isso, estamos com uma das unidades de saúde mais necessitadas do município desassistida”, afirmou o secretário de Saúde de Cruzeiro do Iguaçu, Jean Fagundes.

Em alguns casos, os médicos entraram em contato com o município para negociar condições que não estavam previstas no edital.

“Um médico inscrito queria trabalhar aos finais de semana, em uma jornada incompatível com as necessidades do município”, disse a secretária de Saúde de Santa Mariana, Fátima Bergamini.

O Mais Médicos prevê uma carga de 32 horas semanais de trabalho, com quatro dias de expediente e um dia reservado para estudos, além dos finais de semana.

Segundo o secretário de Saúde de Cantagalo, Vinicius Sbardelotto, os períodos em que as fases anteriores de inscrições foram abertas prejudicou o preenchimento das vagas. “Muitos médicos estavam em processos seletivos para fazer residência e desistiram de se apresentar nas vagas em que se inscreveram no Mais Médicos”, afirmou.

Unidade Básica de Saúde do Distrito de Panema, em Santa Mariana, está há dois meses sem médico. — Foto: Divulgação/Prefeitura de Santa Mariana

 

‘Quebra no atendimento’

Via de regra, as unidades atendidas pelos profissionais do Mais Médicos ficam em localidades afastadas do centro da cidade ou em áreas mais carentes do município.

“Nós precisamos encaminhar os pacientes das áreas mais afastadas para a unidade central, que está trabalhando com o dobro da condição de trabalho projetada”, disse o secretário de Saúde de Candói, Juarez Antonio Turco.

Segundo Turco, o número de atendimentos por médico no município saltou de 16 para 30 por dia, em média. A cidade teve duas inscrições, mas nenhum comparecimento.

Ele estima que cerca de 5 mil pessoas tem sido afetadas pela ausência dos médicos do programa.

“Precisamos reorganizar a dinâmica de atendimento, mas sem dúvida há uma quebra no atendimento. As unidades continuam abertas, mas sem os médicos”, explicou o secretário de Prudentópolis, Luiz Carlos Mendes Ferreira Junior.

Em Santo Inácio, a falta de reposição do médico deixou 50% das comunidades do interior do município desassistida. “Teve um impacto enorme em uma área mais afastada do centro, com quase 3 mil pessoas”, disse a secretária de Saúde da cidade, Ângela Macarroni.

Espera pelos médicos

Mesmo que todos os médicos que preencheram as vagas disponíveis nesta segunda-feira confirmem a participação no programa, o cronograma do Ministério da Saúde prevê que eles comecem a trabalhar apenas em abril.

Isso porque nesta fase os médicos inscritos se formaram no exterior e precisam participar de um curso promovido pelo ministério para poder exercer a profissão no Brasil.

“Acho que agora a chance dos inscritos realmente aparecerem é maior, porque há muitos médicos formados fora do Brasil que estão atrás de uma oportunidade aqui”, disse o secretário de Cantagalo, Vinicius Sbardelotto.

Além disso, o cronograma do programa foi alterado três vezes. Na primeira versão, os médicos inscritos na última fase se apresentariam em fevereiro. Na segunda mudança, a apresentação final estava prevista para março. Agora, a previsão é que se comecem a trabalham na segunda quinzena de abril.

O mesmo vale para a próxima fase do programa. Caso haja novas desistências, uma lista com as vagas remanescentes será publicada no dia 21 de fevereiro para médicos estrangeiros formados fora do país.

Leia a matéria completa: G1.