Depressão pós-parto está ligada a dores sentidas pelas mães após o nascimento dos bebês, diz estudo

16/10/2018 às 08:32.

Embora a dor do parto tenha sido associada à depressão pós-parto, o culpado podem ser as dores sentidas pela mãe após o nascimento do bebê, e não durante o processo, de acordo com uma nova pesquisa apresentada na reunião anual de anestesiologia.

Foto: Pixabay

Pesquisas anteriores demonstraram que a dor associada ao parto pode aumentar o risco de depressão, mas não especificou qual parte do processo do trabalho da parturiente (por exemplo, antes, durante ou após) pode ser a fonte do problema. Este é o primeiro estudo a diferenciar a dor pós-parto da dor do parto e identificá-la como um fator de risco significativo para a depressão pós-parto.

“Por muitos anos, temos nos preocupado sobre como administrar a dor do parto, mas a dor de recuperação após o trabalho de parto é negligenciada”, disse Jie Zhou, principal autor do estudo e professor assistente de anestesia no Brigham and Women’s Hospital e da Escola de Medicina de Harvard.

“Nossa pesquisa sugere que precisamos nos concentrar mais em ajudar as novas mães a controlar a dor após o nascimento do bebê”, disse.

Os sintomas de depressão pós-parto – incluindo extrema tristeza, falta de energia, ansiedade, episódios de choro, irritabilidade e alterações no sono ou padrões alimentares – afetam cerca de 1 em cada 9 mulheres, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA.

A depressão pós-parto pode levar a menores taxas de amamentação e falta de conexão com o bebê.

No estudo, o grupo de pesquisa do Dr. Zhou revisou os escores de dor (desde o início do trabalho de parto até a alta hospitalar) de 4.327 mães que tiveram filhos pela primeira vez por via vaginal ou cesariana no Hospital Brigham and Women entre 1 de junho de 2015 e 31 de dezembro de 2017. Eles compararam os escores de dor às pontuações da escala de depressão pós-parto de Edimburgo (EPDS) das mães uma semana após o parto.

Dr. Zhou descobriu que depressão pós-parto estava significativamente associada a maiores pontuações de dor pós-parto. Mães com depressão pós-parto demonstraram mais queixas relacionadas à dor durante a recuperação e muitas vezes precisavam de medicação adicional para a dor. As mulheres no grupo de depressão pós-parto foram mais propensas a ter feito cesariana. Elas também relataram controle inadequado da dor no pós-parto.

Vários fatores podem contribuir para a depressão pós-parto. Os pesquisadores determinaram que a depressão pós-parto era maior entre as mulheres que estavam acima do peso ou obesas; que sofriam de um períneo rasgado (a área adjacente à abertura vaginal); que tinham um histórico de depressão, ansiedade ou dor crônica; e cujos bebês eram menores e tinham menores índices de Apgar, um sistema de pontuação usado para avaliar a saúde física dos recém-nascidos um minuto e cinco minutos após o nascimento.

“Enquanto o ibuprofeno e analgésicos similares são considerados adequados para o controle da dor após o parto, claramente algumas mulheres precisam de ajuda adicional para controlar a dor”, disse o Dr. Zhou. “Precisamos fazer um trabalho melhor para identificar quem está em risco de ter dor pós-parto e garantir que eles tenham atendimento pós-parto adequado”.